sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

CLAUDIO LINS SE APRESENTA NO TEATRO DÉCIO DE ALMEIDA EM SÃO PAULO


Claudio Lins se apresenta nos dias 25 e 26 de fevereiro, no Teatro Décio de Almeida Prado, na cidade de São Paulo. Entrada franca.

O novo show do ator, cantor e compositor Claudio Lins não se chama “UM CARA NO ASFALTO”, à toa. Primeiramente, tem um sugestivo jogo de palavras: UM (Velas/ Universal) e CARA (Biscoito Fino) são os nomes dos seus dois CDs, lançados respectivamente em 1999 e 2009. E é deles que sai boa parte do repertório desse novo projeto. Canções como “Falso” (Lenine / Dudu Falcão / João Falcão) ou composições próprias como “Cupido” e “Impaciência” são representativas desses dois trabalhos.

Mas, o que esse CARA, carioca de 39 anos, está fazendo no ASFALTO? Bom, a verdade é que a sua obra sempre foi inspirada pelo universo urbano. “Bala meia volta” fala de um assalto as avessas num sinal de trânsito. “DDD” conta a história de um adultério que passa pelas capitais do país. “Sonho de atriz” foi feita sob encomenda para a inauguração do Teatro Cleyde Yáconis, em São Paulo.

Aliás, UM CARA NO ASFALTO também significa que o artista está na vida, na estrada. E falar sobre o próprio ofício é tema recorrente nas composições de Claudio. “Eu canto” é a história de uma cantora; “Teatrinho” usa expressões do universo cênico para falar de um relacionamento; “Tá boa, santa?” foi tema do documentário “Dzi Croquettes” (grupo de dança-teatro que revolucionou a cena brasileira na década de 70) e concorreu ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, na categoria de melhor trilha musical.

O show ainda traz releituras de clássicos como “Roda viva” (Chico Buarque) e “Será” (sucesso do grupo Legião Urbana), além de uma suíte inspirada pela peça “O beijo no asfalto”, comemorando em 2012 o centenário de Nelson Rodrigues.


Biografia

Claudio Lins nasceu próximo da ribalta e ela faz parte de sua vida desde a infância.

Filho de dois nomes consagrados - o cantor e compositor Ivan Lins e a atriz e cantora Lucinha Lins - estreou nos palcos aos 11 anos de idade. Estudou Piano e teoria musical, e participou de inúmeros coros infantis. Ainda criança estrelou os musicais "Sapatinho de Cristal" e "Verde que te quero ver".

Formou várias bandas na adolescência e estudou no Tablado, no Rio de Janeiro. No teatro, trabalhou com diretores como Bernardo Jablonski ("A visita da velha senhora", 1993); "O inimigo"(1994); Tônio Carvalho ("Uma tragédia florentina", de Oscar Wilde, 1995); Aderbal Freire Filho ("Tia Zulmira e nós", 2001); Marcelo Saback ("Frisson", 2001); Claudio Tovar ("Aldir Blanc, um cara bacana", 2000); Antônio Pedro ("Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come", 2002); Diogo Vilela ("Elis Regina, estrela do Brasil, 2002); Charles Moeller e Claudio Botelho ( "Ópera do malandro", de Chico Buarque, 2003/04 - 2006 e "Ópera do Malandro em concerto", 2006), José Possi Neto ( "O Baile", 2007-2008); Wolf Maia ("4 Carreirinhas", de Flavio Marinho, 2008); João Fonseca ("Gota d'Água", de Chico Buarque e Paulo Pontes, 2008); entre outros.

Em 2009, Claudio esteve em turnê por Portugal e Brasil com o musical "Gota D'Água", enquanto fez a direção musical da peça "Diário de um louco", de Gogol.

Na televisão, participou de novelas e minisséries, como "História de Amor" (Rede Globo, 1995), "Chiquinha Gonzaga" (Rede Globo, 1999), "Sabor da Paixão"(Rede Globo, 2002/2003) e "Tiempo Final" (Fox Latina - 2007), além de ter protagonizado as novelas "Perdidos de Amor" (Rede Bandeirantes, 1996), "Terra Mãe" (RTP - Portugal, 1997), "Esmeralda" (SBT, 2004/2005) e "Uma Rosa com Amor"(SBT, 2010). Entre 2011 e 2002, esteve à frente do Programa musical "A vida é um show" (TVE - Rede Brasil).

Em 2011 foi protagonista de "Amor e Revolução" e da minissérie "Natália" (Canal Brasil). Em 1999, lançou seu primeiro CD solo, "Um" e em 2009 lançou "Cara", pela gravadora Biscoito Fino. O lançamento do cd ocorreu durante o show "1+1", em que dividiu o palco com o pai Ivan Lins.

Na área musical ainda fez trilhas para peças teatrais (como "Cabaret Mellinda", 2008), e para cinema a trilha do documentário Dzi Croquetes (ganhador de diversos prêmios) e suas composições tem sido gravadas por intérpretes como Maria Rita, Luciana Mello, Pedro Mariano, Renata Adegas, entre outros.

Em 2006, dirigiu o show "Pessoa rara" do trio vocal Folia de 3 e o show Acariocando, de Ivan Lins. Ainda co-dirigiu, juntamente com Rogério Fabiano, o musical "Aracy Cortes, a Rainha da Praça Tiradentes". Em 2007/2008, exerceu a função de diretor artístico no Projeto Pixinguinha trabalhando com artistas como Monarco, Cida Moreira, Borguettinho, Ivan Lins entre outros.

Em 2010, conciliou alguns shows do cd Cara com as gravações da novela "Uma Rosa com amor", o que se repetiu em 2011 com os shows da turnê "Cara", as gravações da novela "Amor e Revolução” e a peça de teatro "Usufruto", ao lado da atriz Lúcia Veríssimo.

Claudio Lins, Neste ano, tem estréia prevista para Maio em São Paulo do musical "Enlace - a loja do ourives", ainda o filme "Teus olhos meus" e a volta para a estrada com o seu show "Um cara no asfalto". 

            @_claudiolins

Foto: Reprodução/divulgação.



Nenhum comentário:

Postar um comentário