quarta-feira, 23 de maio de 2012

EXPOSIÇÃO DE LEO AYRES REÚNE REGISTROS IMAGINÁRIOS DE UMA ESPERA E CRIA ESTRATÉGIAS DE SEDUÇÃO



O Centro Cultural Banco do Nordeste-Fortaleza (rua Floriano Peixoto, 941 - Centro - fone: (85) 3464.3108) abrirá na próxima sexta-feira, 25, às 20h, a exposição individual "Deixe as luzes acesas", do artista visual carioca Leo Ayres, com curadoria de Luiza Interlenghi. Com entrada franca, a mostra ficará em cartaz até 08 de julho deste ano (horários de visitação: terça-feira a sábado, de 10h às 20h; e aos domingos, de 12h às 18h).

Deixe as luzes acesas (texto da curadora Luiza Interlenghi)

Cada mar tem seu farol. A intermitência das marés e a força do vento insistem em fazer e desfazer desenhos nas dunas do litoral. Por um momento, o brilho noturno do Farol do Mucuripe, há muito apagado, volta a iluminar a cidade de Fortaleza, poeticamente refletida na galeria do Centro Cultural do BNB. A linha da orla da Beira Mar é traçada por Leo Ayres com um chão de espelhos que o brilho tênue de uma pequena
réplica do farol vem a iluminar.

Nesta mesma paisagem, certas luzes que pontuam a noite do Rio de Janeiro, onde vive o artista, reaparecem em desenhos, mapas e vídeos, como um duplo, um improvável espelhamento. Mapas - do Rio ou
Fortaleza - traçam rotas possíveis em cada uma das cidades. Por vezes, evocam deslocamentos solitários. Mas, nas dobras de seus labirintos, também levam aos encontros.

A excitação desses encontros produz fagulhas no escuro, que o artista registra em desenhos com perfurações feitas com agulha. A cada ponto alguma luz atravessa o papel negro.  Na série Ritmo da noite, o
 artista captura, com o lápis opaco, brilhos de um globo de espelhos, como se elaborasse uma partitura para suas fugazes aparições.

Até que ponto a trilha que anima o jogo de luz das casas noturnas cariocas coincide com a pulsação da noite de uma cidade desconhecida?  Os vídeos Discoteca de Mão e Strangers in The Night, de ações com objetos de espelho criados pelo artista, observam a aproximação de desconhecidos, na intermitência da penumbra e na ausência da palavra. Ambos sugerem o quanto essa delicada atividade noturna cria seus próprios traçados urbanos. Deixe as luzes acesas reúne registros imaginários de uma espera e cria inesperadas
estratégias de sedução, como um encontro às cegas.

ENTREVISTAS E INFORMAÇÕES ADICIONAIS:

*        Leo Ayres (artista) - leo@leoayres.com - www.leoayres.com 

*        Luiza Interlenghi (curadora da exposição) - luinterlenghi@gmail.com

*        Jacqueline Medeiros (coordenadora de Artes Visuais do CCBNB) - (85) 3464.3184 - jacquerlm@bnb.gov.br

*        Luciano Sá (assessor de imprensa do Centro Cultural Banco do Nordeste) - (85) 3464.3196 - lucianoms@bnb.gov.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário