terça-feira, 18 de dezembro de 2012

FUNESC LANÇA OITO LIVROS DO PRÊMIO LITERÁRIO JOSÉ LINS E ANUNCIA EDITAIS PARA 2013



Após 16 anos sem lançar títulos com selo próprio, as Edições FUNESC retomam o trabalho de apoio à literatura paraibana, com a publicação de oito livros inéditos. São obras de escritores já consagrados, e também de novos autores contemplados com o Prêmio Literário José Lins do Rego. O Lançamento será na quarta-feira (19), às 19h, no subsolo (área interna) do Teatro de Arena do Espaço Cultural. Na ocasião, a Presidente da Funesc, Lu Maia, anunciará os editais para o próximo ano. A noite será encerrada com show do pernambucano Mani Carneiro.

Serão lançados os seguintes títulos: “Versorragia”, de Gustavo Limeira; “Impróprio para Consumo”, de Marinésio Gonçalves;” Varadouro, Varadouro”, de Astier Basílio; “Face Oblíqua”, de Saulo Mendonça; “O Voo da Borboleta Negra”, de Paulo Vieira; “Palavras que devoram lágrimas (ou a felicidade cangaceira)” de Roberto Menezes; “O Mundo Alado e o Mundo Florido ou o Mundo Colorido”, de José Camilo Lélis; e “Verdinha, a Pequena Cana -de –Açúcar”, de Jackson Franco.

O lançamento compreende seis selos editoriais para definir as suas publicações por gênero literário. Cada um deles com nomes em homenagem ao escritor José Lins do Rego, patrono da Funesc. A coleção “Riacho Doce” é destinada a romances ou novelas; Coleção “Pureza”, para poesia; Coleção “Gordos e Magros”, para contos ou crônicas; Coleção “Velha Totônia” contempla literatura infanto-juvenil; Coleção “Papa-Rabo”, para obras em dramaturgia e “Coleção Usina” para ensaios. Vale ressaltar que as denominações desses conjuntos não implicam em definição de temas para as obras a serem publicadas.

Romance, Poesia, Infanto-juvenil, Conto e Crônica. Estes são os gêneros contemplados, que ganham vida sob o talento de Astier Basílio, Saulo Mendonça, Gustavo Limeira, Marinésio Gonçalves, Paulo Vieira, Roberto Menezes, Jackson Franco e José Camilo Lelis. Oito diferentes estilos de escrita, que tornam a Coleção de 2012 das Edições Funesc um convite à leitura.


Sobre os Editais:

Quanto aos editais a serem anunciados, a ideia é contemplar diferentes áreas. Para as artes visuais, será lançado o terceiro Edital de Ocupação da Galeria Archidy Picado. O setor de audiovisual será contemplado com o “Curtas PB na Tela”. Para música, haverá o edital “Music From Parahyba”.

Sobre Mani Carneiro:

Autor de mais de 200 canções e dono de voz e interpretação peculiares, a sua música evidencia toda a influência da música brasileira, pop e étnica mundial, adquirida em anos de pesquisa e curiosidade musical, o que torna sua obra autoral também curiosa.
A cantar e tocar violão desde os 13 anos de idade, o cantor e compositor pernambucano Mani Carneiro iniciou-se profissionalmente em 1994, aos 18 anos, cantando com um grupo chamado Eclipse Oculto, onde interpretava músicas dos Beatles e clássicos da MPB, tocando em bares, festas e luaus em Recife.

Em 1999, muda-se para João Pessoa/Paraíba e lança projetos apresentando seu repertório autoral. A partir daí, segue participando de CDs de outros artistas, fazendo parte de projetos e Festivais de Música na Paraíba, Rio de Janeiro e São Paulo. Vem desenvolvendo um trabalho pessoal como cantor e compositor ao longo dos anos, criando sua maneira de tocar violão e cantar suas letras, adquirindo uma linguagem própria. Paralelo à carreira solo é vocalista do projeto "As Parêa”.

Serviço:

Lançamento de livros das Edições Funesc
Show: Mani Carneiro
Data: 19 de dezembro
Hora: 19h
Local: Subsolo (área interna) do Teatro de Arena do Espaço Cultural
Realização: Funesc

Lançamentos:

Roberto Menezes (Romance) – “Palavras que devoram lágrimas (ou a felicidade cangaceira)”
Paulo Vieira (Romance) – “O voo da borboleta negra”
José Camilo Lélis (Infanto-juvenil) – “O mundo alado e o mundo florido ou o mundo colorido”
Jackson Franco (Infanto-juvenil) – “Verdinha, a pequena cana-de-açúcar”
Marinésio Gonçalves (Poesia) – “Impróprio para consumo”
Gustavo Limeira (Poesia) – “Versorragia”
Astier Basílio (conto/crônica) - “Varadouro, Varadouro”
Saulo Mendonça (conto/crônica) - “Face Oblíqua”

Foto: Reprodução/divulgação - A Presidente da FUNESC Lu Maia.


Nenhum comentário:

Postar um comentário