quarta-feira, 19 de novembro de 2014

SATYRICINE 2014 - O BRAÇO CINEMATOGRÁFICO DA SATYRIANAS COMEÇA NESTA QUINTA-FEIRA

Buscando ampliar a pluralidade de visões, estéticas, linguagens e sotaques, o SATYRICINE convidou realizadores do Brasil inteiro a enviar suas obras audiovisuais, independentemente de duração, gênero ou formato. Foram mais de 50 filmes recebidos, entre longas, médias e curtas; destes, 17 serão exibidos nas 04 sessões programadas, que somam mais de 300 minutos de cinema nacional, a partir desta quinta-feira, dia 20 de novembro, até domingo (23), na Matilha Cultural. A entrada é gratuita.

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA

QUINTA FEIRA, 20 DE NOVEMBRO

Abertura Oficial – Exibição do Longa Metragem “Cuba Libre” – O longa-metragem CUBA LIVRE abre oficialmente o SatyriCine 2014. Antes da exibição do documentário, a atriz Phedra de Cordoba nos brinda com um pocket show e, após a sessão, o diretor do filme, Evaldo Mocarzel, participa de um bate-papo com o público.

20h – Pocket Show da protagonista Phedra de Córdoba

20h20 – Cuba Libre (1h13) – Direção: Evaldo Morcazel
Phedra de Córdoba é uma atriz transexual, nascida em Cuba, mas exilada no Brasil há mais de cinco décadas. As razões de sua partida foram a incompatibilidade com o regime de Fidel Castro e a profunda transfobia vigente na ilha. Décadas depois, Phedra retorna a Cuba para descobrir as transformações do país, na época em que a filha de Fidel, Mariela, luta por uma maior aceitação de gays, lésbicas, transexuais e transgêneros. 10 anos.

21h35 – Debate com o Diretor Evaldo Morcazel (30 min)

SEXTA FEIRA, 21 DE NOVEMBRO

20h – MixBrasil – Desde sua gênese, no começo dos anos 90, o Festival MixBrasil proporciona um momento de reflexão sobre as mudanças, avanços e retrocessos que a humanidade tem experimentado na maneira de viver e assumir sua diversidade. Especialmente para a Satyrianas, o Mix selecionou a grade intitulada “Sexo e Literatura”. Na programação, seis curta metragens exibidos, no Matilha Cultutal, ininterruptamente, das 20h às 22h.

“A edição deste ano do festival, mais completa e corajosa, leva mais uma vez ao público paulista e de todas as cidades da itinerância a mensagem da cultura da tolerância, da paz e do amor sem medo de ser feliz”. (João Federici / André Fischer).

A Cicratriz é a Flor (15 min) – Direção: Newton Moreno, Evaldo Mocarzel.
“A Cicatriz é a Flor” é um curta-metragem que focaliza o fim do relacionamento de duas mulheres que, embaralhadas na experiência amorosa, tentam exorcizar a dor da separação através da poesia e da escarificação.

Corpo do Texto: Nossos Ossos (5 min) – Direção: Thiago Carvalhes.
Heleno Caminha pelo corredor do IML, à procura do corpo do michê. Texto de Marcelino Freire.

Dama da Noite (11 min) – Direção: Dino Menezes.
Baseado na adaptação teatral “Dama da Noite” para o conto homônimo de Caio Fernando Abreu, aborda a personagem e as angústias de um ser humano que não se sente inserido no mundo que vê e vive.

Lembranças de Verlaine (8 min) – Direção: Fabiano Cafure.

Lembranças de Verlaine é uma expressão poética cinematográfica em uma reconstituição livre de época, onde as poesias seguem em dois ambientes e quatro movimentos. Mostrando o mundo de Verlaine e Rimbaud em uma Paris regada a absinto e ao resgate do amor grego, simbolizado através das máscaras dos meninos amados, mas sem deixar de lado uma “concessãozinha” às mulheres.
Lembranças de Verlaine é resultado de uma pesquisa de Bayard Tonelli sobre as poesias eróticas de Verlaine (1872 – 1877), onde a mais conhecida é o “Soneto do Olho do Cu”, os dois primeiros versos de Verlaine e os dois últimos de Rumbaud. As outras poesias encontradas são muito pouco conhecidas.

Lulu a Louca (8 min) – Direção: Estevan Silvera.
Transposição cinematográfica de um conto do escritor Dalton Trevisan, do livro “Capitu sou Eu”. O conto Lulu, a Louca narra a história de um(a) personagem pela cidade de Curitiba, ruas, becos e mictórios públicos que são: “São os meus museus, as minhas igrejas. Lá eu me sinto em casa”. Lulu tem um lema: “Meu lema é: Faça aos outros, querida, tudo o que você quer que te façam. Sem culpa nem remorso. E por que haveria?”

Rubras Mariposas (19 min) – Direção: Anderson Craveiro.
Textura do tempo. Memórias de uma cafetina que lembra/imagina os tempos áureos do seu cabaré nos anos 50 durante o auge da economia cafeeira no norte do Paraná, e vive a decadência pela geada negra nos anos 70.

SÁBADO, 22 DE NOVEMBRO

DOCUMENTOS
Teatro e educação e comunidade e teatro se encontram em dois documentários que compõem a grade.

19h – Entre o Silêncio e a Gargalhada (30 min) – Direção: Luci Savassa e Michel Igielka. S.P.
Por meio de depoimentos de conceituados profissionais de teatro e de educação, como Maria Lucia Pupo, Vladimir Capella, Dib Carneiro Neto, Marcelo Maluf e Elaine C. Ferreira; além de grupos de teatro infantil como Cia. Asfalto de Poesia, Cia. O Grito e Núcleo Vendaval; e das próprias crianças; abordamos a importância da experiência na formação da criança e sua relação com o teatro infantil, além de outros apontamentos ligados ao tema do teatro infantil e da educação não-formal.

19h30 – O Cortejo (11 min) – Direção: Juliana Pereira da Silva, Leandro Leão Alves, Gabriele Toth Lender, Gabriel Campos Ferreira, Priscila da Cruz Roque. S.P.
Nos finais de semana de 2012, atores, público, moradores, músicas, performances e memórias se misturam nas ruas do Bixiga. Esse cortejo, promovido pelo Teatro Oficina como parte de sua peça “Macumba Antropófaga”, celebra a história do bairro, revivendo nesse percurso seus personagens e lugares. Estão em cena, ou melhor, na rua, não apenas os atores, interpretando célebres moradores, como Oswald de Andrade e Cacilda Becker, mas também o público e os atuais moradores.

FICÇÕES
As visões e sotaques dos estados de SP, RJ e RN estão presentes em 04 histórias sensíveis e muito bem contadas.

19h55 – Três Vezes Mania (20 min 30’) – Direção: Márcia Lohss, R.N.
Maria Dolores que todos chamam de Dorinha, Maria Aparecida que é conhecida por Cida e Maria Apolônia, a fogosa Paloma, vivem e trabalham no Cabaré do Onório em Santo Antônio do Salto da Onça, uma cidade do interior do Rio Grande do Norte. Após a morte da cafetina, dona do cabaré, Onório se vê no desafio de administrar o prostíbulo herdado que vive um momento difícil. Na noite da reinauguração do cabaré, as Marias terão que tirar força da amizade entre elas, para suportar a dor neste lugar.

20h17 – Os Primos (14 min 30’’) – Direção: Vini Lopes, S.P.
Dois primos retornam para a fazenda da família em sua cidade natal por causa do aniversário de sua avó. Lá eles são hostilizados com olhares soturnos pelos seus familiares e antigos colegas.

20h32 – Dorothy (2 min 30’’) – Direção: Isabella Cavaletti, R.J.
Dorothy, uma jovem que sai de casa sem o apoio dos pais, pra tentar a vida como artista plástica. Vivencia crises e descobertas em sua jornada, que não tem destino algum.

20h45 – Sundae (12 min 40’’) – Direção: Carolina Dia e Thais Guisasola, S.P.
Lúcio, um diretor de cinema fracassado, tenta convencer sua recém-encontrada musa e a si mesmo de que será capaz de fazer um filme. Ele mergulha em sua loucura criativa deixando a dúvida de onde termina sua fantasia e começa a realidade. Ao lançar seu olhar sobre o olhar dos personagens, o filme se revela um ensaio sobre a produção artística e o dinheiro na sociedade brasileira atual.

EXPERIMENTO
Grade dedicada a filmes que buscam o não convencional no ato de se expressar. Jovens realizadores e coletivos internacionais e Beto Brandt, com seu MANIFESTO MAKUMBACYBER, compõem a sessão.

21h – Toystation (3 min 40’’) – Direção: Pedro H. M. Marques, S.P.
Nosso objetivo com este filme é ajudar o telespectador a apreciar mais e tomar conhecimento da beleza que é sair do comum e dar liberdade para imaginação.

21h04 – Nootrópico (14 min 40’’) – Direção: Bruno Decc, S.P.
Em algum lugar, em uma data qualquer, um homem maltrapilho e moribundo interrompe sua constante jornada ao encontrar um objeto de grande importância.
 
21h19 – Cartas (6 min 35’’) – Direção: Pietro Santurbano
“Eu gostaria que antes que chegasse a cachaça, preferiria que tivesse chegado os livros”.

21h26 – Depois do Fim (9 min 10’’) – Direção: Luciana Ramin, Francesca Catricalá e Gabriel Netto. Brasil e Espanha
Com argumento/roteiro de Francesca Catricalá (Itália) e Luciana Ramin (Brasil), o curta-metragem propõe o encontro de uma mulher com o fim do mundo, fato que extinguiria a humanidade. No entanto essa figura feminina é um duplo, vivendo uma mesma experiência. O filme também agrega recursos documentais, tais como relatos, imagens e profecias. Foi realizado em colaboração pelos artistas Francesca Catricalá, Gabriel Diaz Regañon e Luciana Ramin. Com Produção Andar7 e Restelinha. Apoio clube Cruzeiro do Sul.

21h36 – Os Donos da Rua (6 min) – Direção: Guilherme Neves, São Paulo
Os Donos da RUA trás o incomodo da palavra “dono” pela denotação de propriedade sobre um bem público. Entretanto, o emprego proposital da palavra no título tem a intenção de significar o papel do dono como aquele que pertence e zela. Os “donos” da Augusta são os cidadãos que fazem dela parte da sua rotina, que se apropriam da rua para o seu trabalho e seu lazer.

21h45 – Manifesto Makumbacyber (11 min 15’’) – Direção: Beto Brant, S.P.
O que artistas CONTEMPORÂNEOS estão fazendo musicalmente, cenicamente e poeticamente, com todo o Legado histórico deixado pelas nossas Matrizes Africana.


DOMINGO, 23 DE NOVEMBRO

CURTAS DO CHICO
O cineasta paulista Francisco Garcia ganha retrospectiva de seus primeiros trabalhos. Parcerias com Angeli, Christiane Tricerri e Bráulio Mantovani estão presentes nos 03 curtas-metragens exibidos.

20h – Desequilíbrio (13 min 10’’) – Direção: Francisco Garcia, S.P. (exibição em 35mm)
Um equilibrista. Uma prostituta. Assimétricos sonhos pelas geometrias da cidade de São Paulo.

20h15 – Nanoilusão (19 min) – Roteiro: Bráulio Mantovani, S.P.
Ele enxerga sua realidade com estranhamento. Ela se multiplica em imagens. Um fato admirável acontece.
 
20h35 – A Cauda do Dinossauro (17 min 30’’) – Direção: Angeli e Christiane Tricerri
No submundo decadente de uma cidade em ruínas, onde tudo era proibido, uma mulher busca o último dos prazeres. Baseado em obra original de Angeli.
 
21h – Debate com o Diretor Francisco Garcia, equipe e elenco.

Matilha Cultural fica localizada na Rua Rego Freitas, 542. Informações (11) 3256-2636.

Acesse:

https://www.facebook.com/events/311421912383472/?ref_notif_type=like&source=

Fonte/texto: http://satyrianas.com.br/satyricine/







Nenhum comentário:

Postar um comentário