quinta-feira, 3 de setembro de 2015

R$ 60 MILHÕES PARA PRODUÇÃO DE CONTEÚDO PARA TVS PÚBLICAS

A partir do segundo semestre de 2016, os brasileiros terão acesso a 250 horas de programação inédita – com conteúdos de animação, ficção e documentários para todas as idades – em 200 canais de programação da TV paga e emissoras do campo público da televisão dos segmentos universitários, comunitário e educativo do Brasil. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (02/09), em Brasília, durante divulgação de resultado da chamada pública para produção de conteúdo para TVs públicas do Programa Brasil de Todas as Telas.

A iniciativa é o resultado de projetos selecionados em cinco editais lançados em todo o Brasil, com o objetivo de regionalizar a produção de conteúdos audiovisuais independentes, para destinação inicial ao campo público de televisão. A ação, com investimento total de R$ 60 milhões, é uma parceria da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura (SAV/ MinC) com a Agência Nacional do Cinema (Ancine) e a Empresa Brasil de Telecomunicação (EBC).

Das 768 propostas inscritas, 94 foram selecionadas, contemplando 83 empresas independentes de todo o País. Entre as selecionadas, 18 propostas são provenientes da Região Norte; 16, da Região Nordeste; 19, do Centro-Oeste; 23, do Sudeste e 18, do Sul.

O ministro da Cultura, Juca Ferreira, explicou que o audiovisual mantém ritmo de expansão no País. “A política de audiovisual é uma das que mais avançou. As críticas são normais de um processo bem-sucedido”, avaliou, ao comentar que “o audiovisual na comunicação pública dá um passo histórico”. Além disso, salientou a importância do investimento em produções de qualidade com enfoque regionalizado. “No Brasil de Todas as Telas será possível ver todo o Brasil nas telinhas de TV pública”, completou.

Outro ponto abordado pelo ministro foi a necessidade e importância da participação da sociedade na formulação, execução e avaliação de políticas públicas. “O Ministério da Cultura já tem tradição nisso. Não acreditamos em política pública construída dentro de gabinete”, enfatizou. Por fim, Juca Ferreira falou sobre a Cinemateca e investimentos do governo feitos na instituição para que a memória do cinema brasileiro seja garantida. A Cinemateca Brasileira, órgão vinculado ao MinC, é a instituição responsável pela preservação da produção audiovisual brasileira. Desenvolve atividades em torno da difusão e da restauração de seu acervo, um dos maiores da América Latina.

QUALIDADE
 
O diretor-presidente da Ancine, Manoel Rangel, enfatizou que serão entregues “250 horas de programação realizadas para dialogar com a sociedade brasileira”. “Entregaremos uma produção de qualidade que reflita o tempo em que vivemos e que seja capaz de entreter, provocar, mobilizar, divertir e indagar as pessoas”, afirmou.

O diretor falou ainda sobre a diversidade brasileira na televisão. “Se não há obras audiovisuais com diferentes sotaques não é por falta de talento ou capacidade técnica, a capacidade está instalada e essa linha é um reconhecimento da capacidade instalada”, disse.
 
Na programação haverá 20h de obras seriadas de animação; 51h de obras seriadas de ficção; e 179h de obras seriadas e não seriadas de documentários. As propostas selecionadas atendem a 24 perfis de programação definidos nos editais: 10 perfis dedicados ao público infantil, correspondendo a 36 propostas; 5 perfis dedicados ao público jovem, correspondendo a 22 propostas; e 9 perfis dedicados ao público adulto.

Além do ministro da Cultura e do diretor-presidente da Ancine, participaram do evento o secretário do Audiovisual do MinC, Pola Ribeiro, e o presidente da EBC, Américo Martins, entre outras autoridades.
 
A ação contou também, desde o início, com o apoio da Associação Brasileira de Televisão Universitária (ABTU), da Associação Brasileira de Canais Comunitários (ABCCOM) e da Associação Brasileira de Emissoras Públicas Educativas e Culturais (ABEPEC). Representantes das instituições estiveram presentes na cerimônia.

Texto: Cecilia Coelho - Assessoria de Comunicação Ministério da Cultura.
 


Nenhum comentário:

Postar um comentário