sexta-feira, 10 de março de 2017

NESTE SÁBADO A ASSOCIAÇÃO PARA O PATRONATO CONTEMPORÂNEO - APC PROMOVE O LANÇAMENTO DO LIVRO "LUCIA KOCH" NO MUSEU BRASILEIRO DE ESCULTURA – MUBE

A Associação para o Patronato Contemporâneo - APC promove o lançamento de Lucia Koch, livro de caráter monográfico da artista, cuja produção se destaca no âmbito das artes nacional e internacionalmente.  O livro é resultado de projeto realizado via Lei de Incentivo à Cultura com o apoio do Ministério da Cultura e patrocínio da Verde Asset Menagement. 

O lançamento da publicação em São Paulo ocorrerá no Museu Brasileiro de Escultura – MuBE. Sob nova gestão e curadoria de Cauê Alves, o MuBE recebeu como doação para seu acervo a instalação Norte, Sul, Leste, Oeste (2016) de Koch, que está instalada permanentemente.

Como contrapartida social do projeto, Lucia Koch ministrará oficinas para o público jovem das ações culturais da “Associação Cultural Cine Favela” (Heliópolis, São Paulo-SP) e do “Observatório de Favelas” (sede no Complexo da Maré, Rio de Janeiro- RJ). Serão disponibilizadas 30 vagas em cada uma das iniciativas e distribuídos gratuitamente 100 exemplares da edição para cada associação. O enfoque da oficina será a relação entre a fotografia, a videoarte e a instalação com a arquitetura e a luz.

A publicação, editada pela APC, tem projeto editorial coordenado por Alexandra Garcia Waldman, diretora artística da Galeria Nara Roesler. O volume, com mais de 200 páginas, apresenta os trabalhos de Koch realizados desde o início da década de 1990 até hoje. A publicação traz uma seleção de trabalhos emblemáticos no contexto da produção de Lucia Koch, oferecendo ao público uma profunda análise sobre seus processos artísticos.

O texto de apresentação da publicação, intitulado “Luz Ambiente” é escrito por Dan Cameron - curador da 13ª edição da Bienal de Cuenca (Equador, 2016) e Diretor Artístico da 8ª Bienal de Istambul (2003), nas quais Koch participou. O livro ainda conta com uma entrevista da artista com Jochen Volz, atual diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo e curador da 32ª Bienal de São Paulo (Brasil, 2016).  Texto e entrevista servem como elementos que aproximam o leitor de Lucia Koch: o texto de Dan Cameron apresenta a artista como uma escultora que tem a materialidade física como condição de existência de seus trabalhos, e a entrevista com Jochen Volz leva a organização de cronologia dos trabalhos de Koch e a perceber a coerência da proposta da artista.

O leitor adentra os espaços que foram ocupados pelas obras da artista no primeiro contato com o livro. Já na capa, apresenta-se, em primeiro plano, a obra Turkish Delight (2013), instalada em um banho turco por ocasião da Bienal de Istambul em 2013. A imagem dos muxarabis de acrílico e metal funciona como dispositivo mediador da experiência do leitor com o espaço interior do banho turco e, ainda, como elemento de entrada nas diversas arquiteturas públicas e domésticas modificadas pelos filtros, vidros, vídeos e fotografias propostos por Koch.

Essas intervenções modificam a escala e o cotidiano na vida das cidades - suas obras chegaram a abranger diferentes contextos, desde o espaço tradicional de uma instituição cultural até um comércio de tecidos por atacado em Nagoya para a Trienal de Aichi (2010). Nas palavras da própria artista:

"Quando você instala uma alteração em um espaço, e o sujeito a percebe (...) ele começa a pensar sobre o dispositivo que produz essa alteração, que pode ser um filtro ou uma tela perfurada, e entende como o dispositivo opera. (...) Se ele especula sobre isso, ele naturalmente passa a pensar na possibilidade de uso daquele efeito em outro espaço: ‘ como isso funcionaria em outro lugar? E também percebe aquele espaço menos duro, com mais possibilidades latentes” [trecho da entrevista de Lucia Koch com Jochen Volz]

O próprio objeto livro, portador de espacialidade, é modificado pelas luzes e cores que emanam das obras.  O ritmo de leitura é conduzido pelas cortinas da obra La temperatura del aire (2015), instalada no Centro de Arte Contemporáneo Caja de Burgos (CAB) na Espanha, e, a partir dele, são apresentados outros significativos trabalhos da artista dentro do contexto nos quais eles se inserem e do discurso pessoal de Koch - ela relata, em primeira pessoa, a poética e o processo envolvido em sua concepção. As obras são registradas em diversas perspectivas e escalas, buscando garantir ao máximo a compreensão da unidade entre obra e espaço.

ficha técnica Lucia Koch | Lucia Koch
Coordenação Geral e Produção Executiva

Mariana Dupas

Edição

Alexandra Garcia Waldman

Autores

Dan Cameron

Lucia Koch

Entrevista

Jochen Volz

Projeto Gráfico

Rara Dias

Paula Delecave

Ana Carneiro

Assistente de Produção

Thays Salva

Versão para o Inglês

Tradução para o Português

Ana Ban

Revisão

Regina Stocklen

Transcrição da Entrevista

Juliana B. de Oliveira Freitas

Produção Gráfica

Zot Design

Aldir Mendes de Souza Filho

Tratamento de Imagem

Zot Design

Ipsis Gráfica e Editora

Impressão

Ipsis Gráfica e Editora

Fotografias
Carlota Mason

Christopher Grimes

Elaine Tedesco

Everton Ballardin

Everton Ballardin

Fabio Del Re 

Fernando Lazlo

Kevin Ridgely

Renato Heuser

Rochelle Costi
Lei de Incentivo à Cultura

Apoio

Galeria Nara Roesler

Patrocínio

Verde Asset Management  
                               
Edição

APC         
                                             
Realização

Ministério da Cultura do Governo Federal do Brasil

Lucia Koch

Lucia Koch nasceu em 1966, em Porto Alegre/RS, e atualmente vive e trabalha em São Paulo/SP. Participou da 11ª Bienal de Sharjah (Emirados Árabes Unidos, 2013); da 11ª Bienal de Lyon (França, 2011); da 27ª Bienal de São Paulo (Brasil, 2006); das 2ª, 5ª e 8ª edições da Bienal do Mercosul, em Porto Alegre (Brasil, 1999, 2005 e 2011); e da 8ª Bienal de Istambul (Turquia, 2003). Exposições coletivas de que participou recentemente incluem: "Prospect 3: Notes for now" (New Orleans, EUA, 2014); "Cruzamentos: Contemporary Art in Brazil", no Wexner Center for the Arts (Columbus, EUA, 2014); "Sense of Place", no Pier 24 (San Francisco, EUA); "Travessias 2", no Galpão Bela Maré (Rio de Janeiro, Brasil); Coleção Itaú de Fotografia Brasileira, no Instituto Tomie Ohtake (São Paulo, Brasil, 2013) e no Palácio das Artes (Belo Horizonte, Brasil, 2013); "Um outro lugar", no Museu de Arte Moderna de São Paulo (São Paulo, Brasil, 2011); "When Lives Become Form", no Yerba Buena Center for Arts (San Francisco, EUA, 2009) e no Contemporary Art Museum (Tóquio, Japão, 2008). As mais recentes mostras individuais da artista são: "Duplas", na Galeria Nara Roesler (Rio de Janeiro, Brasil, 2014); "Mañana, montaña, ciudad y Brotaciones", na Flora ars + natura (Bogotá, Colômbia, 2014); "Materiais de construção", na Galeria Nara Roesler (São Paulo, Brasil, 2012); "Cromoteísmo", na Capela do Morumbi (São Paulo, Brasil, 2012); "Matemática espontânea", no SESC Belenzinho (São Paulo, Brasil, 2011); e "Casa acesa" (La Casa Encendida, Madri, Espanha, 2008). No presente projeto, na condição de autora da obra sobre a qual trata a publicação, Lucia Koch é responsável por produção de texto, além de acompanhar o processo de elaboração editorial e ceder os direitos para reprodução de texto e imagem no livro.

os Autores

Dan Cameron (crítico de arte responsável por redação de ensaio crítico): é Curador-Chefe do Orange County Museum of Art (Newport Beach/CA). Fundador da Prospect New Orleans, maior bienal internacional de arte contemporânea nos Estados Unidos, sendo seu Diretor de 2007 a 2012. Atuou também como Diretor de Artes Visuais do Contemporary Arts Center (New Orleans, 2007-2010) e Curador Geral do New Museum of Contemporary Art (New York, 1995-2007), onde foi responsável pela curadoria de inúmeras exposições, incluindo Carroll Dunham, William Kentridge, Cildo Meireles, Christian Marclay, Paul McCarthy e Francesco Vezzoli. Cameron atuou como Diretor Artístico da 8ª Bienal de Istambul (2003), intitulada "Poetic Justice", e co-organizou a 10ª Bienal de Taipei (2006). É também membro do corpo docente da Escola de Artes Visuais (SVA) de Nova York.


Jochen Volz (crítico de arte responsável por entrevista com a artista): atual diretor da Pinacoteca do Estado de São Paulo, foi curador da 32ª Bienal de São Paulo. Atuou como diretor de programas na Serpentine Galleries, em Londres, entre 2012 e 2015. É também Curador do Instituto Inhotim (Minas Gerais) desde 2004, tendo sido antes Diretor Geral (2005-2007) e Diretor Artístico (2007-2012) na mesma instituição. Ali, foi Co-curador de uma série de projetos em site specific de grandes dimensões em arte e arquitetura com diversos artistas, incluindo Adriana Varejão, Dominique Gonzalez-Foerster, Doris Salcedo, Doug Aitken, Hélio Oiticica, Matthew Barney and Rirkrit Tiravanija, assim como numerosas exposições da coleção. Contribuiu também com muitas exposições ao redor do mundo, como: "Planos de fuga", no Centro Cultural Banco do Brasil de São Paulo (2012); "Olafur Eliasson – Your Body of Work", como parte do 17º Festival Internacional de Arte Contemporânea - SESC Videobrasil de São Paulo (2011); "The Spiral and the Square", no Bonniers Konsthall (Estocolmo, Suécia, 2011), Trienal de Aichi (Nagoya, Japão, 2010) e a apresentação de Cinthia Marcelle na Bienal de Lyon (França, 2007). Organizou o Fare Mondi / Making Worlds, seção internacional da 53ª Bienal de Veneza (2009) com Daniel Birnbaum. Como crítico, escreve para revistas e catálogos e é colaborador da Frieze. 

APC
A Associação para o Patronato Contemporâneo – APC é uma associação sem fins lucrativos, fundada em 2011 pela Galeria Nara Roesler para viabilizar a realização de projetos institucionais e estimular o patronato. A fundação da APC reflete o desejo da Galeria Nara Roesler de criar e fomentar plataformas críticas de experimentação para seus artistas e a necessidade de proporcionar oportunidades sólidas de envolvimento com a arte contemporânea para seus colecionadores.
A APC elabora e executa projetos que promovem a valorização, desenvolvimento e difusão do patrimônio artístico e cultural contemporâneo no Brasil e no exterior, incentivando a pesquisa, a educação e a democratização do acesso à cultura. Tal propósito se efetiva por meio de linhas específicas de atuação, como publicações, exposições, consultorias e produções culturais, residências artísticas, entre outros.
A APC estabelece parcerias com demais pessoas e entidades, públicas e privadas, para realização de seus projetos, visando sempre a criação de espaços para o debate sobre arte e cultura. A gestão dos projetos é feita pela associação desde sua elaboração, captação de recursos e produção até a divulgação e/ou distribuição final. Para tanto, a APC é mantida por diversos recursos, dentre eles doações e verbas obtidas por meio de leis de incentivo fiscal.
diretoria estatutária APC

Presidente: Daniel Roesler

Secretária: Fabiola Ceni

Tesoureiro: Alexandre Roesler

Conselho Fiscal: 

Mônica Novaes Esmanhotto

Rosa Amélia M. Moreira

Sérgio Sister

equipe APC

Diretora:   Mariana Dupas

Conteúdo e Comunicação:  Ana Roman

Assistente Administrativo: Bianca Mantovani

Gerente Financeiro:  Daniel Sena

SERVIÇO:

Lançamento livro Lucia Koch

Museu Brasileiro de Escultura – MuBE

Preço - R$ 90,00 - 209 Páginas

Av. Europa, 218 - Jardim Europa, São Paulo - SP

Sábado, 11 de março de 2017

11h30 às 13h30

Fonte: Marcy Junqueira Assessoria de Imprensa - Pool de comunicação 

Nenhum comentário:

Postar um comentário