quarta-feira, 18 de outubro de 2017

MEMORIAL DA RESISTÊNCIA ABRE EXPOSIÇÃO SOBRE MEMÓRIA DAS DITADURAS NA AMÉRICA LATINA




A partir do dia 21 de outubro, o Memorial da Resistência, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, apresenta a exposição "Hiatus: a memória da violência ditatorial na América Latina". Com curadoria de Marcio Seligmann-Silva, a mostra promove o encontro de oito artistas que vêm se dedicando de modo original e expressivo ao tema da memória, com pesquisas que emergem e dialogam com os resultados das Comissões da Verdade e a continuidade de violações semelhantes no mundo contemporâneo. A entrada é gratuita e a exposição fica em cartaz até 13 de março de 2018, no terceiro andar do Memorial.

Participam da exposição os artistas Andreas Knitz, Clara Ianni, Fulvia Molina, Horst Hoheisel, Jaime Lauriano, Leila Danziger, Marcelo Brodsky e Rodrigo Yanes, com obras que passam por diversos suportes, pesquisas e exercícios: instalações (como as de Andreas Knitz, Clara Ianni, Horst Hoheisel Leila Danziger e Rodrigo Yanes), fotografias pessoais com intervenções (como as de Marcelo Brodsky), estruturas cilíndricas com as imagens de mortos e desaparecidos (como a obra de Fúlvia Molina) ou um impactante vídeo sobre um linchamento (obra de Jaime Lauriano). A produção apresentada em "Hiatus" aponta para os dias de hoje, numa memória continuamente atualizada pelo esquecimento e pela barbárie.

"Num momento político em que observamos o apagamento sistemático da memória da ditadura no Brasil e observamos a relativização da gravidade das violações cometidas nesse contexto, a exposição 'Hiatus' traz a potência da arte e da memória na luta pela democracia, justiça e verdade, nessa missão fundamental que o Memorial da Resistência tem de lembrar o que aconteceu para que não se repita", diz Marilia Bonas, coordenadora do Memorial da Resistência.

"Hiato" é uma palavra derivada do latim "hiatus" que remete às noções de falta, lacuna, interrupção, abismo. Ao propor uma exposição voltada para a memória das ditaduras na América Latina, calcada nesse universo semântico, enfatiza-se tanto o fato de que essas ditaduras representaram rupturas históricas, como também que elas constituem uma "falta", um vazio dificilmente simbolizável.

Se, durante o período ditatorial, alguns artistas brasileiros resistiram com muitas obras importantes, no tempo pós-ditadura eles, com raras exceções, voltaram-se mais para poéticas formalistas ou para outras agendas temáticas. No entanto, desde 2013-2014 essa paisagem tem se modificado. Uma nova linhagem de produção (pós relatório da Comissão Nacional da Verdade) tem abraçado o desafio de inscrever o passado ditatorial hoje. Pois a memória é ato, ação que se dá no presente e se articulada às políticas do agora.

1968

"Hiatus: a memória da violência ditatorial na América Latina"conta com o apoio do Goethe Institut e do Instituto de Estudos Avançados da USP e é parte integrante do projeto "Hiatus", que conta com seminários, palestras e a realização, também no dia 21 de outubro, de um "Sábado Resistente" sobre o tema em questão.

Serviço

Exposição Hiatus: a memória da violência ditatorial na América Latina

Memorial da Resistência de São Paulo

Sala 1 – 3º andar

Largo General Osório, 66 – Luz

Abertura: de 21 de outubro de 2017, às 11h00

Encerramento: 13 de março de 2018

Funcionamento de quarta a segunda-feira, das 10h às 18h (entrada até 17h30)

Entrada gratuita

Classificação livre

memorialdaresistenciasp.org.br


Para conhecer a programação cultural de todo o estado, o site da Secretaria da Cultura: www.cultura.sp.gov.br


Acompanhe a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo nas mídias sociais:

Facebook: /culturasp

Twitter: @culturasp

Instagram: /culturasp

Nenhum comentário:

Postar um comentário