quarta-feira, 17 de novembro de 2021

FESTIVAL CINEALTER 2021 DIVULGA A SELEÇÃO DA MOSTRA SAMAÚMA - COMPETITIVA E SEU FILME DE ENCERRAMENTO

 

O CineAlter 2021 a seleção da Mostra Samaúma - Competitiva que traz filmes latino-americanos com um enfoque sobre a vida, a criatividade e beleza para descrever cotidianos, desafios, alternativas, vivências diante da pandemia e outras crises. Dores, mas também surpresas de construção de novos caminhos e personagens da nossa diversidade contemporânea. 

Entre os longas-metragens selecionados estão os documentários “O Reflexo do Lago”, de Fernando Segtowick, primeiro longa paraense a ser exibido no Festival de Berlim; “Edna”, de Eryk Rocha, que retrata a vida de uma ex-guerrilheira do Araguaia que vive na região sul do estado do Pará; “A Mãe de Todas as Lutas”, de Susanna Lira, que retrata a batalha das mulheres indígenas e sem terra; “BR Acima de Tudo”, de Fred Rahal Mauro, sobre a disputa de terras na floresta ao norte do Pará; Fazem também parte da seleção o drama argentino “Os Irmãos Afros”, sobre dois irmãos afro-argentinos que têm que superar a discriminação e o preconceito para progredir. Dirigido pelo haitiano naturalizado argentino, Wisny Dorce e, por fim, o drama peruano “A Pedreira”, de Miguel Barreda, que conta a história de um jovem que tenta vingar a morte do pai. 

A multiplicidade de olhares também está presente na seleção de curtas-metragens que retratam realidades diversas com destaque para o paulista “Alternativas Felizes”, de Juliana Santana, que traz uma reflexão sobre o isolamento durante a pandemia de Covid-19; o manauara “O Barco e o Rio”, de Bernardo Ale Abinader, sobre duas mulheres que vivem em um barco em Manaus; o peruano “La Ramada”, de Fernando Torres sobre o mais importante porto do antigo Peru, entre outros.

"A Mostra Samaúma reúne filmes incríveis que dialogam com a nossa realidade, questionam o status quo e propõem caminhos diante do cenário em que vivemos, além de serem excelentes obras de entretenimento. Fizemos um trabalho árduo para proporcionar experiências únicas de cinema na Amazônia", reflete o diretor do Festival, Raphael Ribeiro. 

“Me Chama Que Eu Vou”, cinebiografia do cantor Sidney Magal, dirigido pela cineasta  Joana Mariani, será exibido de forma apenas presencial na Vila de Alter do Chão, e será o filme de encerramento do festival. O documentário mostra a trajetória de Magal desde a infância até os 70 anos completados em 2020, passando pelos shows em churrascarias no início da carreira, a explosão de sucessos, a ascensão da lambada, as experiências no cinema e, claro, a intimidade de Magal, que revela o homem por trás dos personagens.

O CineAlter 2021 acontece de forma híbrida, entre os dias 18 e 23 de novembro, com exibições gratuitas totalmente on-line para todo território brasileiro, o exterior e uma programação presencial na Vila de Alter do Chão.  De 18 a 28 de novembro a programação é on-line, na plataforma CineAlter/Olhar Play. 

Serão exibidos mais de 50 filmes, entre longas e curtas metragens, regionais, nacionais e latino-americanos, priorizando um recorte identitário e territorial, distribuídos em cinco mostras, sendo uma competitiva e quatro paralelas.  Os vencedores serão agraciados com o Troféu Muiraquitã. 

As Mostras do CineAlter terão nomes das árvores nativas da Amazônia: além da Samaúma, Ipê, Castanheira, Seringueira e Açaizeiro. Homenagens a estes seres da natureza que são símbolos da vida.
 
Mais informações sobre CineAlter 2021 - Festival Latino-Americano de Cinema de Alter do Chão:

O CineAlter 2021 é uma iniciativa de organizações regionais, com realização do Instituto Território das Artes (ITA) e a correalização da Associação de Teatro de Santarém (ATAS). A consultoria técnica é da Olhar Distribuição, de Curitiba-PR. O Festival também conta com a parceria da Secretaria de Estado de Cultura do Pará (Secult), Mandato do Deputado Federal Airton Faleiro, Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa) do Projeto Saúde e Alegria, Projeto Luz e Ação na Amazônia e conta com a participação efetiva das comunidades afetadas, a exemplo do Conselho Comunitário de Alter do Chão, Associação Iwipuranga do povo Borari de Alter do Chão e Associação Comunitária da Comunidade Caranazal.

Para esta edição, o evento traz a atriz e diretora Lucélia Santos com embaixadora e terá como filme de abertura o longa “A Última Floresta”, com a direção de Luiz Bolognesi e Davi Kopenawa Yanomami como corroteirista. 

Além da exibição de filmes, o CineAlter 2021 conta com uma rica programação multicultural presencial, com diversos artistas regionais que se apresentarão da Vila de Alter do Chão, como Felipe Cordeiro, entre outros. 

A programação completa do Festival pode ser acessada pelo site: www.cinealter.com
 
INFORMAÇÕES SOBRE OS FILMES DA MOSTRA SAMAÚMA

LONGAS-METRAGENS

“O Reflexo do Lago”
2020 | Brasil | Documentário | 79’
Sinopse: 40 anos depois da construção da hidrelétrica de Tucuruí no Pará, os moradores do reservatório da Usina permanecem sem energia elétrica em suas casas. Um diretor e sua equipe chegam para contar essa história.
Direção: Fernando Segtowick 

“Os Irmãos Afros” 
2021 | Argentina | Drama | 107’
Sinopse: Leo e Mimi são dois irmãos afro-argentinos e por causa de sua condição étnica, é difícil para eles progredirem em uma sociedade que os discrimina. Eles estão altamente motivados para mudar essa realidade: eles serão capazes de realizar seus sonhos, derrotar preconceitos e reverter a exclusão a que o sistema os sujeita? 
Direção: Wisny Dorce

“Edna”
2021 | Brasil | Documentário | 64’
Sinopse: Vivendo à beira da rodovia Transbrasiliana, na Amazônia brasileira, Edna é testemunha de uma terra em ruínas construída sobre massacres. Criada apenas pela mãe, ela vivencia em seu corpo e no de seus descendentes as marcas de uma guerra que, segundo ela, nunca acabou. Por meio de seus relatos e escritos, o filme constrói uma narrativa híbrida que se move entre a realidade e o imaginário. Tudo é tecido a partir da memória de Edna e seu diário intitulado "História da Minha Vida". Uma vida de guerrilhas, desaparecimentos e desmatamentos, mas também a força das mulheres, rios e matas que insistem em sobreviver. Uma poeta transformada em olhos que apesar de verem não podem falar. Ela sonha sair dali para um lugar que não sabe aonde.
Direção: Eryk Rocha

“A Mãe de Todas as Lutas”
2021 | Brasil | Documentário | 84 ‘ 
Sinopse: Uma narrativa que recorre à memória para vislumbrar um futuro de mudanças sob a ótica feminina.
Direção: Susanna Lira

“BR Acima de Tudo”
2021 | Brasil | Documentário | 54’
Sinopse: No Norte do estado do Pará fica o maior bloco de florestas protegidas do mundo. Uma área de floresta amazônica do tamanho do Reino Unido e que abriga uma infinidade de histórias. Indígenas, pecuaristas, posseiros, quilombolas, empresários e políticos refletem à sua própria maneira os impactos da possível expansão da BR-163 floresta adentro, até a fronteira com o Suriname. O projeto da rodovia foi gestado na época da ditadura militar, e até hoje paira como uma sombra sobre a região. Mas este não é um filme sobre uma estrada. É um filme sobre os abismos que separam aqueles que compartilham de uma mesma terra.
Direção: Fred Rahal Mauro

“A Pedreira”
Sinopse: Juan, o filho de um cortador de pedra, fica chocado ao encontrar seu pai morto. Ele suspeita que Carlos, irmão de seu pai, tenha causado essa morte, mas não pode provar. Ao saber que Gabriela, sua mãe, tem um relacionamento com Carlos, não tem dúvidas, mas ninguém acredita nele. Então ele decide fazer justiça com suas próprias mãos, mesmo que ele deva rejeitar as pessoas que ama e arriscar sua própria vida para realizar seus planos. 
Direção: Miguel Barreda 

CURTAS-METRAGENS

“Meus Santos Saúdam Teus Santos”
Sinopse: Rodrigo regressa a Soure, ilha do Marajó, cidade dos seus avós. Nesta viagem, conhece pajé Roxita e recebe a notícia de que têm guias espirituais de herança. Rodrigo vive sua iniciação na pajelança marajoara e registra sua relação com Roxita que o guia num encontro com seus ancestrais.
Direção: Rodrigo Antonio

“Alternativas Felizes”
Sinopse: Uma mulher idosa em tempos de medo sobre uma pandemia relata o que sente sobre a saudade e a dor da perda, fazendo reflexões sobre a vida e sua trajetória de luta, revendo memórias em fotografias arquivadas, fazendo tentativas de análise sobre o seu luto.O sentimento da perda relatado em imagens que remetem lembranças, solidão e cansaço. Relatos de tristeza e melancolia, porém sobre a importância da vida, com muita fé, e esperança para quando o sol não vem, que ela possa se apegar às coisas boas e seguir.
Direção: Juliana Santana

“A Bezendeira” 
Sinopse: O retrato da intolerância cultural e religiosa, na decisão arbitrária de um juiz, que impede que uma benzedeira exerça seu dom, de curar males do corpo e da alma, por meio de orações e ervas.
Direção: Wallace Abreu 

“O Barco e o Rio”
Sinopse: Vera é uma mulher religiosa que cuida de uma embarcação no porto de Manaus. Ela precisa lidar com a irmã Josi com quem diverge em relação a como lidar com o barco e sobre como viver a vida.
Direção: Bernardo Ale Abinader

 “Manual: Como Conter uma Raça Poderosa”
Sinopse: Unindo teatro e audiovisual, o experimento artístico apresenta uma pequena antologia afrosurrealista de quatro cenas em que um manual desvenda como o racismo estrutural imobiliza, física e subjetivamente, a população negra exigindo dela uma reação. 
Direção: Marcelo Ricardo e Vagner Jesus

“Megg – A Margem que Mira no Centro”
Sinopse: Megg Rayara derrubou barreiras que não deveriam existir para chegar onde chegou. Para ela, seu diploma é um marco importante de uma luta não só pessoal mas, sim, coletiva. Pela primeira vez no Brasil, uma travesti negra conquista o título de Doutora. É a margem que migra para o centro, levando toda sua história consigo.
Direção: Larissa Nepomuceno Moreira e Eduardo Sanches

“Meninos Rimam”
Sinopse: Arthur e Alexandre são amigos de infância. Enquanto um se sente pressionado a dar o primeiro beijo, o outro quer se tornar um grande rapper e gravar seu primeiro clipe. Ao se ajudarem, eles iniciam novas descobertas. 
Direção: Lucas Nunes

“La Ramada”
Sinopse: Jaime Estrada é o último pescador artesanal da enseada La Ramada, um dos portos mais importantes do antigo Peru, com abundante flora e fauna. As praias do norte do Peru estão desaparecendo devido à erosão costeira, mudanças climáticas e expansão urbana. Don Jaime é o guardião de La Ramada e das técnicas tradicionais utilizadas pelos pescadores desta zona há dois mil anos. Atualmente aquela bela praia existe apenas em sua memória.
Direção: Fernando Torres

“Utopia”
Sinopse: A busca de uma filha por histórias vividas pelo pai garimpeiro que faleceu no garimpo. Arquivos sobre esse pai, fotos, vídeos e cartas que ele escrevia para a família relatando a vivência e as dificuldades do garimpo.
Direção: Rayane Penha

“Ailín na Lua”
Sinopse: Trabalhar, fazer compras, cozinhar, limpar, passar, cuidar de Ailín: essa é a rotina de Vilma, uma mãe de 40 anos, oprimida pelo cansaço e pela intolerância à superfície. Ailín apenas procura brincar e exige a atenção de uma menina inquieta, um dia provoca o surto emocional de sua mãe. A rotina que os afastou deve ser quebrada para se encontrarem novamente.
Direção: Claudia Ruiz

“Alunagem”
Sinopse: Nel é um futuro astronauta de 10 anos que quer chegar à lua. Faça uma odisséia em uma feira para chegar ao ponto mais próximo das estrelas, mas essa não é uma tarefa fácil para um ser que se mover um quarto da velocidade dos outros.
Direção: Melany Mora

“O Mago Georges”
Sinopse: Não somos criados apenas com livre arbítrio, mas também com responsabilidade. A responsabilidade de ouvir nossos sentimentos viscerais, seguir nossa intuição, nossa parte sábia. De acordo com a antiga definição, um mágico é uma pessoa sábia. Portanto, todos nós podemos ser mágicos se formos corajosos o suficiente.
Direção: Katalin Egely

“Mara, a jornada da Elefanta”
Sinopse: Um elefante nascido em cativeiro busca alcançar algo semelhante à liberdade
Direção: Luciano Nacci

“O Resto”
Sinopse: Declarada morta por engano, a senhora Iolanda Bambirra vive como um fantasma entre a vida e a morte em Belo Horizonte, Brasil, uma cidade em ruínas e sem vestígios do tempo.
Direção: Pedro Gonçalves

“Medo da Chuva em Noite de Frio”
Sinopse: Desde as eleições de 2018, Soraia não vê o pai. Após participar de um documentário sobre afetos, ela decide ir em uma festa de família.
Direção: Victor Hugo Fiuza

“Colateral”
Sinopse: Zenaida é uma mãe cujos dois filhos foram mortos por diferentes forças de segurança do Estado em Caracas, Venezuela. O primeiro deles dentro de casa e o segundo a apenas algumas ruas de distância. Ao longo de sua história, é possível abordar os efeitos colaterais das execuções extrajudiciais para familiares, incluindo crianças. Sua história é acompanhada de depoimentos de uma psicóloga, uma socióloga, uma advogada e uma defensora dos direitos humanos.
Direção: Lucrécia Cisneros

“Copacabana Madureira”
Sinopse: Eleições presidenciais. Notícias falsas. Prazeres e dores pelos bairros da cidade. Brasil, século XXI
Direção: Leonardo Martinelli

“Primeiro Carnaval”
Sinopse: Uma criança vive a mágica do carnaval pela primeira vez
Direção: Alan Medina 

“Ribeirinhos do Asfalto”
Sinopse: Deisy mora na Ilha do Combu, do outro lado do rio, na frente de Belém. Ela gostaria de morar na cidade cheia de luzes que ela vê de noite na sua casa, no meio da mata. Com a ajuda da sua mãe, ela vai tentar realizar este sonho.
Direção: Jorane Castro 

FILME DE ENCERRAMENTO

“Me Chama Que Eu Vou”
2020 | Brasil | Documentário | 71 min.
Diretor: Joana Mariani, Roteiro: Eduardo Gripa, Joana Mariani
Sinopse: Os momentos mais marcantes da vida do cantor, dançarino, ator e dublador Sidney Magal que se tornou um ícone da música popular brasileira. O homem por trás do ídolo, do ponto de vista dos participantes da história.

Siga as redes sociais do festival

Instagram: @cinealterdochao

Site do CineAlter www.cinealter.com

Fonte: Assessoria de imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário