quarta-feira, 17 de outubro de 2018

ADRIANA BARRA ABRE SEU APARTAMENTO EM PRIMEIRA MÃO PARA A CASA VOGUE DE OUTUBRO


É um tempo novo para Adriana Barra. E se tudo muda dentro dela, o exterior reflete bem a fase – ou seria metamorfose? Ela se sente cada vez mais livre para se reconectar consigo e com seus rituais, afirmar seu mundo e dar vazão à criatividade que pulsa. Está avessa aos rótulos que lhe impuseram a vida toda: o de estilista é um. Este apartamento, onde aterrissou há três anos, conta muito sobre isso. Embora as cores se anunciem logo na chegada – amarelo, vermelho e pink, um impacto após o outro –, quem quiser pistas do que acontece deve olhar para as pequenas florestas de cada ambiente. “Saí de uma casa cercada por natureza. Quando vim para cá, sentia falta de algo e não sabia o que era. Aí surgiram as indagações. É cor? Pintava a parede. É flor? Fazia arranjos lindos, mas acabavam.” Logo, em uma imersão corajosa na botânica, percebeu que o fazer manual a preenchia. “Essa transformação diz muito sobre voltar a ser quem eu sempre fui. Não é redescobrir”, sintetiza.
Mística, quase uma maga de vestido rubro, ela quer dar mais espaço a essa Adriana, na contramão de lançar campanhas de moda a todo vapor. Em 2018, viu sua marca fazer 15 anos em velocidade total – chegou a empregar 70 pessoas em fábrica –, mas ela sente vontade de “frear esse caminhão, virar, descer e andar de bicicleta”, como fala, rindo. “Sou uma pessoa criativa. Não me acho designer, nem estilista. Posso criar o que você quiser, como quiser. Nesse lab posso fazer tudo, até cenário de casamento. Minha vida não é só estampa ou cor.” Nesta hora ela cita Bruno Munari: “‘Das coisas nascem coisas’. A vida de um artista é assim: ele deve começar”.
Fonte/Fotos - Reprodução/divulgação: Assessoria de Imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário