segunda-feira, 8 de abril de 2019

FAMA ESTREIA SEGUNDA MOSTRA PERMANENTE DE SEU ACERVO


Disseminar a arte brasileira e apresentar um recorte com trabalhos dos mais importantes artistas nacionais. Esse é o objetivo de Utopia de colecionar o pluralismo da arte, a nova exposição do acervo da Fundação Marcos Amaro (FMA), sediada na Fábrica de Arte Marcos Amaro (FAMA), em Itu, no interior do estado de São Paulo. No dia 13 de abril, a instituição abre mais uma mostra do acervo, com as mais recentes aquisições de nomes expoentes e em ascensão da cena artística do País.

Com curadoria de Ricardo Resende, a mostra aponta para a singularidade da Coleção Marcos Amaro e Ksenia Kogan Amaro: a predileção do casal de colecionadores por esculturas e instalações de grande porte, que ocupam espaços amplos. A exemplo dos trabalhos Se Vende(2005), da artista Carmela Gross, que agora abriga a Sala 4 da Fundação, e ACachoeira (1985), de Leda Catunda, apresentado pela primeira vez na 18ª Bienal de São Paulo, e que agora pode ser vista na Sala 2. "Ambas são obras emblemáticas, mas que, por suas dimensões, demoraram para encontrar o lugar ideal e definitivo em um acervo", afirma o curador.

A exposição, entretanto, não se limita a trabalhos tridimensionais. Traz, ainda, a tela The Railway Surfer and the Ghost Train (1990), de Luiz Zerbini, fundador do grupo Chelpa Ferro, e a escultura de mais de dois metros Gran titre (1995), de Frida Baranek – nomes expoentes da Geração 80 da arte brasileira.

A elas, se juntam, também, a tela Sem título (2018), que evidencia a pesquisa pictórica de Arjan Martins sobre a história e a relação África-Brasil; escultura de Maria Nepomuceno, na qual a artista se debruça em estudo sobre o corpo e a natureza do micro ao macrocosmos; e trabalhos emblemáticos dos artistas Saint Clair Cemim e Eduardo Berliner.

Sobre o acervo da FMA

Com mais de mil obras, a coleção de Marcos Amaro tem sido construída ao longo dos últimos dez anos. De lá para cá, o colecionador tem investido em obras dos mais importantes artistas, com foco maior nos brasileiros. São pinturas, esculturas e fotografias que, juntas, compõem um acervo potente e expressivo da arte brasileira.

Em 2012, o empresário criou a Fundação Marcos Amaro, instalando-se em Itu, cidade a 100 quilômetros da capital. A sede no interior tem como intuito permitir e fomentar a descentralização da arte. A iniciativa é abrigada em uma área de 20 mil metros quadrados, onde no século XIX funcionou a Fábrica São Pedro, importante polo da indústria têxtil, com relevância histórica e cultural para a região.

É lá que hoje funciona a Fábrica de Arte Marcos Amaro (FAMA), projeto e complexo que abraça não apenas o espaço expositivo que possibilitará ao público o acesso ao acervo da Fundação, mas que também abriga ateliês, ocupações e residências artísticas promovidas por meio de editais diversos.

Sobre a FAMA

A Fábrica de Arte Marcos Amaro (FAMA) ocupa uma área central em Itu, interior do estado de São Paulo, onde por muitos anos funcionou uma indústria têxtil com relevância histórica e cultural para a região. O espaço é hoje a sede da Fundação Marcos Amaro e abriga o acervo do colecionador e artista que dá nome à instituição. Pensada para a produção, contemplação, fomento da arte e, também, para apresentação da produção do artista Marcos Amaro, a FAMA é uma ferramenta de disseminação da arte contemporânea.

Serviço:

Exposição Permanente da Fundação Marcos Amaro

Endereço: Rua Padre Bartolomeu Tadei, 9, Itu – SP

13 de abril, sábado, das 11h às 15h

Visitação: de quarta-feira a domingo, das 10h às 17h

Entrada gratuita

Foto/Crédito: Monica Ogaya - Legenda: Se vende | Carmela Gross

Fonte: Assessoria de Imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário