sábado, 27 de abril de 2019

ROMANCE “PIOR DIA DE TODOS” ABORDA A DIFÍCIL EXPERIÊNCIA DE CRESCER MENINA NO BRASIL


O Pior dia de todos é um romance terno e perturbador, uma ficção criada a partir de um dia trágico, que realmente aconteceu – o Massacre de Realengo, como ficou conhecido o atentado a uma escola do subúrbio do Rio, em que um ex-aluno matou 12 estudantes, a maioria meninas, em abril de 2011. Não é um livro sobre o massacre, mas sobre a amizade. Escrito por uma jornalista que cobriu o episódio, O Pior dia de todos não é um livro sobre aquelas mortes, mas aquelas vidas.

Malu e Natália, as duas primas que protagonizam esta história, nos revelam o que é ser menina nesse país, alimentando grandes esperanças quando é sempre iminente o risco de se perder tudo. A tragédia do Realengo, a maior já ocorrida numa escola brasileira, comoveu o país em abril de 2011 – quando vivíamos uma euforia econômica, o acesso à educação começava a transformar uma geração e estávamos todos otimistas. Oito anos depois, mudou o país, mudamos nós – e este livro, como só as narrativas mais originais conseguem, pretende transformar um relato em material sólido, capaz de perdurar por mais tempo.

Com estrutura aparentemente simples, a obra nos apresenta um mundo difuso de preconceitos, desejos e limitações de forma crua e clara. Através de suspensões, silêncios e outros recursos sutis da linguagem, foge da pieguice para nos capturar com inteligência e emoção. Daniela Kopsch faz uma estreia surpreendente, alvissareira, quando livros e meninas vivem momento tão adverso no país.

FICHA TÉCNICA:

Título: O pior dia de todos   

Autor: Daniela Kopsch

Formato: 16 x 23 cm

Nº de Páginas: 264

ISBN: 978-85-8419-090-4

Preço: R$ 42,00

Sobre:

Autora

A escritora e jornalista Daniela Kopsch nasceu em Piçarras, pequena cidade do litoral de Santa Catarina, em 1987, e hoje mora no Rio de Janeiro – onde trabalha como repórter e redatora para veículos como Canal Futura, Editora Abril e HuffPost. Formada em Jornalismo pela PUC, em Curitiba, especializou-se em Literatura na UFRJ, no Rio. O pior dia de todos é sua estreia na ficção.

Tordesilhas

Ampliar sua atuação em outros segmentos do mercado, com ênfase nos gêneros de não ficção mais valorizados pelos leitores brasileiros, como biografias, memórias e livros de reportagem. Esse é o objetivo do selo Tordesilhas em sua nova etapa. O apuro na produção dos títulos continua sendo marca registrada do selo, assim como seu compromisso com o rigor das edições e da busca por autores renomados. Além dos clássicos, revisitados com criatividade, estão no radar da nova Tordesilhas escritores nacionais e internacionais que investiguem temas contemporâneos, capazes de nos ajudar a compreender mutações aceleradas do mundo no início do século 21.

Fonte: Assessoria de Imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário