sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

TRANSAÇÃO TRIBUTÁRIA E NJP - NOVAS HABILIDADES NA ADVOCACIA *POR DR. DANILO MONTEMURRO


Importantíssimas mudanças no âmbito da prática tributária surgiram, antes tarde do que nunca, nos últimos meses, com especial atenção à portaria publicada dia 29/11/2019 (Portaria 11.956/2019 da PGFN), que disciplinou o regime da transação tributária regulamentada pela conhecida MP do Contribuinte Legal (MP 899/2019).
A morosidade do Poder Judiciário é chaga do nosso sistema jurídico conhecida por todos. Destaca-se a matéria publicada no caderno de Economia do periódico Agência Brasil, no dia 03/12/2019 que citou estudo realizado pela AMB conjuntamente pela FGV em que aponta que 64% da população brasileira considera a lentidão e burocracia como principais fatores que desmotivam as pessoas a procurarem a Justiça.
No âmbito fiscal essa morosidade e falta de proveito prático são mais gritantes. Segundo o CNJ, em 2016 as execuções fiscais representavam 39% de todos os processos judiciais pendentes no Brasil e 75% das execuções pendentes no Judiciário, apresentando taxa de congestionamento de 91,9%, ou seja, a cada 100 execuções fiscais que tramitava em 2015, apenas 8 foram baixados. Isso, sem falar nas ações antiexacionais que contribuem para o congestionamento do Judiciário.
Portanto, repiso, que antes tarde do que nunca, medidas alternativas de solução de conflitos tributários, sem prejuízo da indisponibilidade dos créditos tributários pelas Fazendas, são mais do que bem vindas.
Vários normas foram publicadas recentemente, destacando-se a Súmula 314, do STJ, que reconhece a prescrição intercorrente em executivos fiscais; A Portaria da PGFN 742/2018, que regulamenta a aplicação do Negócio Jurídico Processual - NJP no âmbito da Fazenda Nacional; a MP da Transação 899/2019, que possibilita a transação de créditos tributários e a comentada Portaria 11.956/2019 da PGFN, que disciplinou o regime da transação tributária regulamentada na MP 899.
E como ficou regulamentada a MP 899 a partir da Portaria 11.956/2019 da PGFN? Em apertada síntese:
O que é Transação:
É o negócio jurídico pelo qual as partes pactuam a extinção de uma obrigação, por meio de concessões mútuas ou recíprocas, com o propósito de prevenir ou terminar um litígio, inclusive judicial.



Quais os benefícios da Transação no âmbito Tributário:
·      Descontos de até 70% nos consectários;
·      Parcelamentos em até 84 meses;
·      Carência de até 180 dias para pagamento;
·      Possibilidade de negociação em relação à substituição de penhoras e garantias, acordo sobre venda de bens, com a participação da Procuradoria;
·      Amortização da dívida com o uso de precatórios federais do devedor;
·      Amortização ou extinção da dívida com o uso de precatórios de terceiros.

O que pode ser transacionado:

Com desconto
As dívidas (inscritas em dívida ativa) de Devedores ranqueados pela PGFN como irrecuperáveis ou de difícil recuperação.
Sem desconto
Demais devedores

O que não pode ser transacionado:
·      FGTS
·      Simples Nacional
·      Multas Qualificadas
·      Multas Criminais
Outrossim, lembramos que a negociação com a Procuradoria não se restringe à Transação, já que se pode aproveitar a prática do NJP, mesmo em casos de inviabilidade da Transação. Em execuções fiscais e ações antiexacionais pode-se obter, a partir de negociações com a Procuradoria, a:
NJP - Negócio Jurídico Processual
●     Reunião de Processos;
●     Transigir em Penhoras;
●     Ônus processual;
●     Convenção sobre prazos;
●     Reconhecimentos de Débitos Tributários;
●     Parcelamento;
●     CND
●     Valor (NJP combinado com MP 899
●     et cetera

Embora as regras estejam, de certa forma, engessadas (p.ex., nas dívidas acima de R$ 15 milhões haverá transação por adesão), a habilidade em negociação do advogado que atuar neste ponto se revela decisivo e essencial para um bom resultado.
Não se pode perder de vista que trata-se da figura jurídica de um contrato de Transação, tipificado pelo Código Civil, onde haverá sacrifícios recíprocos, de sorte que, caberá ao advogado compreender a realidade do cliente, a composição e o rating do passivo tributário, o potencial de pagamento e de cumprimento das exigências da PGFN, a composição e importância dos ativos, a criação de embaraços judiciais para melhorar a oferta de acordo, o que há de disponível no mercado de garantias e créditos como precatórios, et cetera, para o bom aproveitamento da transação.
Dr. Danilo Montemurro, Advogado especializado em Direito de Família e Sucessões.
Fonte/Foto-reprodução-divulgação: Assessoria de Imprensa


Nenhum comentário:

Postar um comentário