sábado, 16 de maio de 2020

RAPADURA LANÇA O DISCO “UNIVERSO DO CANTO FALADO"


Mais de 20 anos de carreira independente e produções com mais de 5 milhões de visualizações, o músico Rapadura lançou seu primeiro disco oficial “Universo do Canto Falado”, em todas as plataformas digitais. Com doze músicas autorais, a coletânea tem produção musical de Carlos Cachaça e transita entre ritmos que vão desde os regionais, rock psicodélico e pop à raiz do artista no rap, com os já conhecidos speeds flows, beats e samples bem elaborados, e exploração da voz de maneira inusitada. A obra busca um universo paralelo entre o urbano e o imaginário nordestino.

“Eu e Cachaça começamos a criar o disco em 2013, mas fomos para o estúdio entre 2018 e 2019. A ideia sempre foi criar um novo universo sonoro a partir da mistura de todas as influências musicais que carrego comigo, como o rap, rock, pop, folk, entre outros. São estilos que aprecio e entramos nesse desafio de trazer algo inovador para o público e sem perder a identidade”, explica Rapadura. “Nesse projeto me aprofundei mais no canto, permiti explorar minha voz além do flow, buscar novas melodias, que deixem mais nítidas as canções do meu interior. Algo mágico e profundo. Forte e sincero, como é meu povo”, diz.

“Universo do Canto Falado” é a música que abre e dá nome ao disco. A letra aborda esse universo que existe entre o concreto e abstrato e traz a raiz do artista entre as rimas, rap e repente. Em seguida, a faixa “Saga Cega” apresenta uma mescla do rap com world music e regional, para contar uma trajetória difícil da vida do artista com a superação e vitória do nordestino. Com guitarra paraense e latin music, “País Sem Norte” é uma marca de Rapadura em sempre afirmar e se orgulhar de onde veio e quem se é.

A parceria com Baianasystem em “Olho de Boi” traz na união de rap, ragga, reggae e um icônico speedflow de Rapadura, um nordeste psicodélico e místico. O amuleto reflete os medos, demônios e como são afastados com a força e luz interior. A quinta faixa “Aboio” reflete sobre o pertencimento a todos os cantos e também à lugar nenhum. A imigração está no ato de colocar uma mochila nas costas e apenas ir. “Paga Pra Ver”, que marca a metade do disco, é uma mensagem sobre a desigualdade e desequilíbrio sociais em um rap enriquecido pelo rock e maracatu.

“Meu Ceará”, no estilo boom bap, o clássico do rap, Rapadura homenageia sua terra natal com uma composição que conta o seu fantástico mundo, com uma dádiva divina e a luz do ventre de onde veio. A canção “Obra Criação” transita pelo rural e urbano na saga de um construtor de pontes entre a seca e o litoral, figurando a travessia entre os concretos e a tecnologia. “Quebra Queixo”, o primeiro single lançado do disco, em 2019, traz a sua regionalidade na vida e luta do povo contra o governo e a rebeldia da esperança. Para o artista, é um grande manifesto popular.

A libertação de seguir o próprio caminho, mesmo, muitas vezes, ele sendo o mais difícil é retratada em “Desapego”, uma mescla de pop, rap e rock, que provoca a sensação de tirar o peso do mundo nas costas. A faixa “Rap Star” é uma homenagem ao estilo que o faz seguir a carreira e o inspirou desde sempre - “O rap é a estrela que brilha dentro de nós. Nele não existe rei, nem melhor e nem pior. Ele não tem dono. É de todxs”, define o músico. Para fechar o disco, “A Peleja de Xique Chico”, um rap psicodélico que reflete sobre o ser desumano e como estamos nos tornando cada vez mais máquinas, tóxicos e prejudiciais à terra. Nos afastando cada vez mais do princípio e conceito de humanidade.

“Nesse período de concepção, eu passei por muitas dúvidas sobre tudo. Tive momentos difíceis e pesamos. Mas quando me vi sem rumo, minha cultura me estendeu a mão e me trouxe de volta. Retornei ao meu eu com toda potência e fome acumuladas. Me reconheci outra vez, me aceitei e tudo foi escrito, produzido e gravado na mais pura sinceridade e lealdade a tudo que vivi nos últimos anos”, reflete Rapadura. “Em tempos tão frios, trago calor humano. Minha terra está em mim. Todo canto que piso, se torna Nordeste. Espero de verdade que todos consigam sentir tudo que tentamos compartilhar nesse projeto. E que sejam bem vindo ao Universo do Canto Falado”, complementa.

Manifesto sobre “Universo do Canto Falado”

“Universo do Canto Falado é o paralelo entre o concreto e o imaginário Nordestino, onde o abstrato toma forma, ganha asas e toca o céu da boca do mundo. Nas linhas afiadas de um RAPentista, rimas cortam e costuram os contratempos, reconfiguram um novo tempo, onde já não cabia o espaço, fendas de fogo saem da voz de uma fera interiorana. É a anunciação de que a era do gelo está prestes a se derreter para dar lugar a vegetação verde da poesi. Quando nada mais se via no mundo, a própria natureza humana se recriou e venceu o mundo vazio, a indústria do plástico entrou em decadência quando o homem voltou a ser animal e fez as pazes com seu planeta, o dinheiro nada comprava alí, pois a simplicidade era tão grandiosa e farta que já não havia mais fome e sede de ego. No dia que o mundo parou, um poeta cantador uniu versos, criou pontes, venceu a morte, pois até a morte o respeitou pelo seu propósito de vida, ele tinha uma missão, ser o construtor dos portais dos sons, das conexões de almas com corpos. No dia que o silêncio imperou e que o cinza tomou conta dos seres e eles se tornaram tóxicos, se fez necessária a recriação do verbo, os motes diversos viam de tão longe que se chocaram com as estrelas e assim deram vida ao universo do canto falado”, Rapadura.

Sobre o artista

Aos 35 anos, com 22 anos de carreira independente, ele é conhecido na cena do hip hop pelo seu diferencial de unir rap ao imaginário nordestino. Durante a carreira, já gravou com O Rappa, Mato Seco & Ponto de Equilíbrio, Rashid, BaianaSystem, entre outros. Começou a subir nos palcos como backing vocal do lendário G.o.g, de Brasília. Já teve mixtape criada pelos fãs, com músicas que estavam na internet. Seu single “Norte Nordeste me Veste”, com 5 mi de visualizações no youtube, popularizou o artista pelo país. A música faz parte do primeiro trabalho independente do artista “FITAEMBOLADA DO ENGENHO”, lançado em 2010 com produção do próprio Rapadura.

Ficha Técnica de “Universo do Canto Falado”

Rapadura: Voz & Arranjos

Gravado por: Sidney Sohn no Locomotiva Estúdio

Mixado por: Renato Alscher no - Estúdio Corredor 5

Masterizado por: Carlos Freitas no - Estúdio Classic Master

Direção de Arte: Humberto Cunha / Rodrigo Cerri

Ilustração: Cristiano Silva

Direção Musical & Arranjos: Carlos Cachaça

Produção Executiva: William Zulu

Acesse o disco nas plataformas digitais, AQUI

Lyrics vídeo AQUI

Fonte: Assessoria de Imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário