terça-feira, 1 de junho de 2021

PESQUISA:79% DAS MULHERES NA MÚSICA JÁ SOFRERAM DISCRIMINAÇÃO

 

Lançada em março, junto com a apresentação da edição 2021 do relatório Por Elas Que Fazem a Música - uma iniciativa da União Brasileira de Compositores para medir a participação feminina entre os associados -, uma pesquisa inédita para destrinchar seus dados e experiências pessoais reuniu um universo de 252 mulheres dispostas a contar em mais detalhes sua realidade num meio que é silenciosamente hostil a elas. Prova disso é que 79% disseram ter sofrido discriminação de gênero em algum momento da sua carreira. Muitas deixaram depoimentos sobre pequenos e grandes embaraços ligados ao simples fato de serem mulheres - e você poderá ler alguns deles no final deste texto.

Como se trata de uma pesquisa respondida por iniciativa própria das profissionais, sem que tenham sido aplicados critérios científicos de representação geográfica, etária ou étnica na seleção das participantes, os resultados devem ser lidos como um retrato desse universo específico, o das respondentes. Mas a experiência empírica revela que, em muitos aspectos, elas podem perfeitamente refletir, com mais ou menos precisão, o conjunto das mulheres no mercado musical brasileiro.

Por exemplo, os percentuais de origem geográfica (com 63% oriundas da região Sudeste, com Nordeste, Sul, Centro-Oeste e Norte em seguida) e faixa etária (35% delas têm de 31 a 40 anos; 28%, até 30 anos; e 24%, de 41 a 50, segundo as outras faixas bastante minoritárias) coincidem com os dados de dois outros trabalhos: o próprio relatório Por Elas Que Fazem a Música e a pesquisa Músicos/as e Pandemia, realizada pela UBC e pelo cRio, think tank da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) ano passado.

Outro dado com resultado similar é sobre a área de atuação das mulheres que responderam à enquete: 33% delas são compositoras; 30% se disseram intérpretes; 19% são produtoras fonográficas; 17% são músicas executantes; e 3% delas trabalham em outras áreas dentro da música, como funções técnicas, por exemplo. A soma não corresponde a 100% porque várias delas atuam em mais de uma função.

Se, agora, 100% das participantes são do sexo feminino, uma pergunta sobre identidade de gênero e orientação sexual mostra que os avanços na aceitação às diferenças já começam - ainda que timidamente - a se refletir no mercado musical: 55% se definem como mulheres cisgênero heterossexuais, 23% como cis bissexuais; 17%, como cis homossexuais, e pouco mais de 1% são mulheres transgênero (hetero, bi ou homossexuais).

A maioria das mulheres (60%) que responderam se declara branca, com pardas, pretas, amarelas e indígenas somando os outros 40%, praticamente uma inversão dos percentuais que vêm sendo verificados há alguns anos pelo IBGE. A escolaridade das mulheres participantes também difere bastante dos dados do conjunto da população, com 46% tendo completado uma carreira universitária; 12% com mestrado e doutorado; e apenas 3% com segundo grau incompleto ou menor escolaridade.

O que não impede que nada menos do que 53% declarem jamais ter recebido nenhum valor de direitos autorais e que 51% delas afirmem receber no máximo R 800 anuais oriundos dessa fonte. As que recebem mais de R 54 mil em direitos autorais representam apenas 3% das que responderam, traduzindo inequivocamente a grande disparidade na distribuição dos rendimentos verificada em outros levantamentos - e que se deve, entre outros fatores, à dificuldade de inserção para artistas independentes e de fora do mainstream no mercado musical como um todo.

maioria das respondentes é solteira (53%), e a grande maioria (68%) não tem filhos, o que lança alguma luz sobre a dicotomia entre poder dedicar-se à carreira ou formar uma família frequentemente imposta às mulheres não só no meio musical, mas no mercado como um todo.

Com iniciativas como a enquete e o relatório anual Por Elas Que Fazem a Música, a UBC quer ressaltar a necessidade de equiparação de condições e rendimentos entre homens e mulheres no mercado musical, algo que beneficiaria toda a cadeia produtiva.

"Além de ter lançado em março a quarta edição do Por Elas, contendo dados da participação feminina entre nossas associadas, quisemos fazer esta pesquisa adicional para ampliar nossos resultados e poder ter acesso a dados mais claros que não constam da nossa base. Temos o compromisso de ampliar esse debate, discutir constantemente o cenário e, através da conscientização, ajudar a construir um panorama melhor para as mulheres", disse Vanessa Schütt, coordenadora do projeto.

DEPOIMENTOS:

"Em uma entrevista de rádio me perguntaram por que eu, cantora sertaneja, não chamo um homem para fazer dupla comigo. O entrevistador disse que, ao estar acompanhada de um homem, seria mais fácil vender show e até mesmo um empresário investir em mim."

"Em inúmeros eventos, eu sou a única mulher trabalhando no backstage".

"Basta você dizer que é compositora para ser desacreditada. Mulher cantando é até aceitável, mas compondo, acham que não temos competência".

"Em algumas entrevistas, as perguntas técnicas acerca da composição de música ou de dificuldades da banda eram direcionadas apenas aos meus companheiros de banda. Minhas perguntas eram mais relacionadas ao que eles consideravam do ''mundo feminino".

"Colegas músicos frequentemente não escutam minhas opiniões por acharem que não tenho muito a acrescentar, apesar de eu ser graduada em música pela Universidade Federal da Bahia e ter vasta experiência no mercado".

"Já fui chamada de puta enquanto cantava".

"Nasci como artista no meio gospel, onde o machismo ainda não é tão condenado e as próprias mulheres reforçam atitudes que diminuem a mulher. Sempre que meu esposo viajava comigo, mesmo apenas me acompanhando, a presença e a figura dele eram muito valorizadas, e os líderes sempre o mencionavam e falavam dele".

"Fui tirada de uma banda por crerem que mulher não sabe tocar bem."

"Recebi o cachê mais baixo que o combinado pelas gravações de voz de um disco completo. Eu era a única mulher da banda e atuava como cantora/intérprete. Até hoje não recebo pelos direitos conexos."

"Em várias ocasiões, na hora de dirigir a minha banda, enfrento desconfiança e questionamentos à minha autoridade. Depois, passa, mas sempre há uma resistência inicial."

"Sempre me perguntam se sou mesmo a compositora e a arranjadora das minhas músicas. Frequentemente ficam muito surpresos quando digo que produzo."

"Um rapaz, perguntou, uma vez, ao olhar minha composição: 'você escreveu isso?'."

"Trabalhei em um estúdio de música, e, por eu ser técnica de som, a maioria dos artistas não respeitava meu trabalho, sempre era 'o ver para crer'."

"Antes do show, houve um problema técnico com o som. Pedi explicação. Na hora de explicar, não olhavam para mim, responderam a todos os outros homens que estavam lá, menos a mim, que fiz a pergunta."

"Dentre várias situações, me lembro de uma vez que fui ensaiar em um estúdio com a minha banda, na qual todas somos mulheres. Demos de presente ao dono do lugar nosso primeiro EP. Ele perguntou quem tinha gravado os instrumentos."

"Já ouvi tantos absurdos, mas alguns dos que mais me marcaram foram falas do tipo 'além de bonita, ainda canta'; e 'é bom ela ficar na frente, enfeita o palco'. Também já fui descartada por um produtor quando descobriu que eu não estava solteira."

"Produtores já interromperam a minha fala várias vezes."

"Homens tentaram aproximação afetiva quando minha abertura foi apenas para relação profissional."

"Homens já tentaram me explicar como regular meu próprio instrumento, querem nos ensinar a tocar, fazem comentários de cunho sexual e, muitas vezes, acham que estamos acompanhando alguém da banda, e não que somos a própria banda."

"Nas rodas de samba, fui discriminada. Ali, os homens se sentem a grande atração."

"Sinto também discriminação por ter iniciado a minha carreira aos 60 anos."

"Já fui excluída de projetos pelo simples fato de ser mãe sola."

"Já vivi situações de não ser levada a sério. Ser ignorada por técnicos de som, na passagem de som para um show. Já fui assediada e tratada sem a devida importância, por ser mulher e ser negra."

"Fui impedida de acessar o meu próprio equipamento porque o cara do festival que estava responsável por vigiar não sabia que era uma mulher que ia usar, estava esperando um homem que jamais chegou."

"Comecei cantando hip hop em 1998, no Rio, não havia muitas mulheres nesse cenário. Os homens não nos deixavam subir ao palco, desligavam o som... Chegaram a me tirar do palco à força porque continuei cantando mesmo depois de terem apagado o som."

"Nos festivais, em sua grande maioria, o corpo de jurados é formado em sua totalidade por homens."

"Faço parte de uma banda com quatro homens, já me senti mal por ser chamada de 'patroa' e 'chata' ou 'mandona' por simplesmente expor meu ponto de vista, administrar a banda como qualquer sócio. Já senti uma pressão para usar certos tipos de roupa e me colocar mais como um sex symbol, na visão deles."

"Quando o contratante é um homem, ele já cresce pra cima de você."

"Em um barzinho, enquanto um cantor se apresentava, eu pedi o microfone e cantei um pedaço da minha música que fala sobre empoderamento feminino. Todos aplaudiram muito, e ele, ao final, tentou me convencer a ceder minha música para ele gravar. Disse que faria muito mais sucesso na voz dele."

Fonte/Imagens-reprodução-divulgação: Assessoria de Imprensa



Nenhum comentário:

Postar um comentário