sexta-feira, 27 de maio de 2022

PESQUISA DA ISTOCK REVELA QUE UMA EM CADA TRÊS LATINOAMERICANAS JÁ SOFREU PRECONCEITO POR SUA IMAGEM CORPORAL

 

Nos últimos cinco anos, movimentos feministas como “Ni Una Menos” vêm mudando lentamente as atitudes públicas e transformando nossa compreensão da igualdade de gênero na América Latina. Esses movimentos também apontaram como os padrões de beleza hegemônicos afetam a imagem corporal que temos de nós mesmos. E apesar das grandes conquistas alcançadas em termos de direitos adquiridos, ainda há muitos equívocos a serem desconstruídos nesse campo.

De acordo com a plataforma de pesquisa criativa de iStock, o VisualGPS, uma fonte de informação que oferece dados e perspectivas sobre o consumo de conteúdo visual, experimentando as opiniões de outras pessoas sobre seu tipo de corpo, continua prevalecendo nos países da América Latina. Aliás, é atualmente o maior preconceito sofrido pelos consumidores da região, principalmente as mulheres jovens.

Além disso, afirma que 1 em cada 3 consumidores latino-americanos sofreu preconceito com a imagem corporal no último ano, uma proporção maior do que em qualquer outra região do mundo. Esse número aumenta para quase 1 em 2 quando consideramos apenas a geração Z. E isso pode sugerir que os mais jovens, que estão mais expostos aos julgamentos que vêm com as redes sociais, são os mais afetados por esses preconceitos.

Identificou-se também que os preconceitos em torno do corpo impactam as pessoas de forma diferente conforme o gênero: 67% das mulheres latino-americanas os vivenciam porque, aos olhos das outras, têm muito peso ou muitas curvas, em comparação com 44% dos homens da mesma região, o que indica uma diferença de 23% entre os sexos. Consequentemente, a pesquisa reflete que os corpos das mulheres são julgados em maior proporção pelo excesso de peso.

Especialistas em pesquisa criativa da iStock, a principal plataforma de comércio eletrônico que fornece imagens, vídeos e ilustrações premium a preços acessíveis para PMEs, criativos e estudantes de todo o mundo, dizem que, independentemente dos movimentos sociais emergentes na web, como o #BodyPositivity, os consumidores exigem imagens e políticas que quebram estereótipos nas indústrias onde a discriminação corporal é mais prevalente: publicidade e moda. Os corpos exibidos nas propagandas e os tamanhos oferecidos nas lojas de roupas não levam suficientemente em conta a diversidade corporal.

De acordo com a ONG argentina AnyBody, 4 em cada 5 consumidores argentinos afirmaram ter problemas para encontrar roupas em seus tamanhos, e 47% daqueles que não conseguiram encontrar seu tamanho acabaram questionando seu corpo por causa disso. Embora existam algumas iniciativas que tentam mitigar esse efeito (como a Lei do Tamanho recentemente aprovada na Argentina), essa lacuna entre o mandato hegemônico e a diversidade corporal autêntica gera opressão, desconforto e baixa autoestima entre aqueles que não se enquadram na norma, e isso geralmente afeta mais profundamente as mulheres. Segundo pesquisa da Advertising Organization, quase 9 em cada 10 mulheres pensam que a imagem física afeta a satisfação com a vida, e 86% abandonaram alguma atividade porque não se sentiam à vontade com o corpo.

"Parece que para os especialistas em marketing há uma intenção (consciente ou inconsciente) de fazer corpos invisíveis que não cumprem o padrão hegemônico da magreza.", comentou Federico Roales, Pesquisador Criativo de iStock. “Nossa pesquisa indicou que apenas 1% das imagens mais usadas na América Latina representam pessoas plus size. Além disso, 41% dessas imagens mostram pessoas seguindo dietas ou praticando hábitos saudáveis (exercício ou corrida). Dessa forma, pessoas com corpos grandes parecem obrigadas a existir apenas para adaptar seus corpos aos padrões hegemônicos.

De acordo com a mesma pesquisa, quase metade dos consumidores latino-americanos sabe que uma empresa está realmente comprometida com a diversidade e a inclusão se mostrar consistentemente uma ampla variedade de personas em seus anúncios e comunicações. Por isso, os especialistas em conteúdo visual de iStock aconselham empreendedores, criativos e criadores de conteúdo a considerar que campanhas com representações reais de diversos corpos sejam recebidas positivamente pelo público latino-americano, reflexo de que os latino-americanos são os mais dispostos, globalmente, a combater ativamente a discriminação e o preconceito onde quer que sejam notados.

Para promover uma representação significativa, autêntica e inclusiva na comunicação visual na América Latina, Federico Roales enfatiza: “Se você está criando conteúdo, campanhas ou produtos, você deve se perguntar: ‘o que você pode fazer como marca?’. Desafie seus estereótipos inconscientes e verifique o seguinte: você está incluindo corpos não hegemônicos como marca? Você os está representando fora do padrão? Essas pessoas são mostradas vivendo vidas felizes e gratificantes? Ocupam cargos de poder? Elas estão orgulhosas e felizes com seus corpos?

Para explorar mais imagens e vídeos inspirados na representação autêntica da imagem corporal, visite istock.com.

Sobre

iStock

O iStock é uma fonte global líder de conteúdo visual que oferece às pequenas e médias empresas e indivíduos uma maneira poderosa de fazer sua mensagem se destacar entre os consumidores. O iStock oferece mais de 145 milhões de fotos, ilustrações, vetores e clipes de vídeo premium obtidos do público e disponíveis a preços acessíveis e simples. Combinando a comunidade global única de colaboradores da iStock com os extensos recursos e expertise em tendências criativas da empresa-mãe Getty Images, o iStock oferece qualidade líder de mercado, selecionando conteúdo de ações criativas distintos e autênticos que só está disponível em www.istock.com.

Para notícias e anúncios da empresa, visite nossa Redação; Para obter informações, visite o blog iStock. Encontre o iStock no Facebook, Twitter, Instagram e LinkedIn. Você também pode baixar o aplicativo iStock, onde você pode facilmente pesquisar, salvar e compartilhar conteúdo premium para criar comunicações visuais excelentes.

Getty Images

Getty Images, criadora de conteúdo visual líder globalmente que oferece uma gama completa de soluções de conteúdo para atender às necessidades de qualquer cliente em todo o mundo, não importa seu tamanho. Por meio de suas marcas Getty ImagesiStock e Unsplash, sites e APIs, a Getty Images atende mais de 1 milhão de clientes em quase todos os países do mundo e é o primeiro lugar que as pessoas procuram quando querem descobrir, comprar e compartilhar o conteúdo visual poderoso dos melhores fotógrafos e cinegrafistas do mundo. Getty Images trabalha com mais de 450.000 colaboradores e mais de 300 parceiros de conteúdo para fornecer esse conteúdo poderoso e abrangente.  A cada ano, a Getty Images cobre mais de 160.000 eventos de notícias, esportes e entretenimento, fornecendo profundidade e amplitude de cobertura incomparáveis. Getty Images mantém uma das maiores e melhores empresas privadas de fotografia de arquivo no mundo com mais de 135 milhões de imagens que datam do início da fotografia.

Fonte: Assessoria de Imprensa 


Nenhum comentário:

Postar um comentário