quinta-feira, 27 de junho de 2019

COMO OS VEGETAIS INTERFEREM NA GESTAÇÃO *POR DANIEL MAGNONI*


A partir da concepção, diversas alterações hormonais ocorrem no organismo feminino para garantir o adequado desenvolvimento do embrião que dará origem ao feto. Na medida em que a gravidez avança, aumenta a demanda nutricional da mãe que deve se manter bem nutrida e fornecer todos os nutrientes e energia necessários para o pleno crescimento e desenvolvimento do bebê até o momento do parto.

Evidências científicas crescentes ainda sugerem que os efeitos da dieta materna sobre o feto podem persistir na vida adulta do descendente com possíveis efeitos intergeracionais. Por tudo, a dieta materna requer planejamento, alimentos seguros e qualidade nutricional.

O aumento das necessidades de vitaminas e minerais ocorre para quase todos as gestantes, especialmente para vitaminas do complexo B (tiamina, riboflavina, niacina, piridoxina, folato, cianocobalamina), vitamina A, ferro, zinco, iodo e selênio. Enquanto que se estima incremento das necessidades calóricas ao redor de 300 Kcal/ dia, a partir do segundo trimestre gestacional.

O consumo exagerado de alimentos durante a gestação pode causar aumento excessivo de peso materno. A obesidade gestacional é uma grande preocupação obstétrica por aumentar significativamente o risco de parto pré-termo, diabetes gestacional, hipertensão arterial gestacional, pré-eclâmpsia, parto cesárea e determinadas anormalidades congênitas.

Por outro lado, a baixa ingestão alimentar ou o consumo insuficiente de nutrientes podem causar forte impacto no curso natural da gestação e na saúde do bebê, indicando a necessidade de acompanhamento da evolução ponderal materna simultaneamente às orientações nutricionais.

Com frequência, nos países emergentes, as pessoas, incluindo gestantes, têm apresentado dificuldade para consumir adequadamente vitaminas e minerais por razões relacionadas a fatores econômicos, bem como fatores relacionados ao estilo de vida moderno, resultando em maior risco de ganho de peso inadequado acompanhado por consumo insuficiente de micronutrientes. O consumo de alimentos com elevada densidade nutricional, ou seja, alimentos que contém elevado teor de micronutrientes relativo ao conteúdo energético pode substancialmente favorecer o alcance das necessidades nutricionais sem aumento indevido do peso corporal.

Dentre os alimentos com maior densidade nutricional, destacam-se as frutas, legumes e verduras (FLV). As carnes, ovos, leite e derivados com menor teor de gorduras, leguminosas, sementes e castanhas também são considerados alimentos com elevada densidade nutricional.

Enquanto que esses últimos são fundamentais para alcance das necessidades de proteína, ferro, vitamina D e E, cálcio e ácidos graxos essenciais, o consumo de FLV possibilita o fornecimento de elevado teor de potássio, vitamina C, carotenoides, magnésio, cromo, entre muitos outros micronutrientes, com menor carga calórica equilibrando a dieta quando associados com os demais alimentos. As FLV devem fazer parte da rotina alimentar diárias das gestantes. Recomenda-se o consumo de no mínimo 3 porções de legumes e/ou verduras e 3 porções de frutas ao dia para as gestantes.

As mulheres grávidas representam um grupo de alto risco de inadequação nutricional. Uma dieta saudável, equilibrada e variada, que inclua frutas, verduras e legumes é a maneira preferencial de atingir as necessidades nutricionais na gestação.

Para a obtenção de vegetais com valores nutricionais adequados devemos cultivar os vegetais em solos com quantidades suficientes de nutrientes. Ossolos com teores de nutrientes insuficientes devem ser fertilizados, com o objetivo de favorecer a produção em quantidade e qualidade nutricional. Assim, a qualidade nutricional de um solo irá representar a qualidade nutricional dos vegetais e, consequentemente, no fornecimento de nutrientes para a gestante e seu bebe.

Sobre:

Daniel Magnoni: consultor da iniciativa Nutrientes para a Vida (NPV), diretor de Serviço de Nutrologia e Nutrição Clínica do Hospital do Coração – Hcor, Mestre em cardiologia pela Universidade Federal de São Paulo – UNIFESP; especializado ainda em Clínica Médica, Nutrologia e Nutrição Parenteral e Enteral pela Associação Médica Brasileira – AMB / Conselho Federal de Medicina – CFM

NPV

A Nutrientes Para Vida (NPV) tem como missão esclarecer e informar a sociedade, sobre os benefícios dos fertilizantes (ou adubos) na produção dos alimentos, bem como sobre sua utilização adequada.

Atua somente com informações embasadas cientificamente, de modo a explicar claramente o papel essencial dos diversos tipos de fertilizantes na segurança alimentar e nutricional, além de seu efeito multiplicador na produtividade de culturas.

Referências

Marciniak A, Patro-Małysza J, Kimber-Trojnar Ż, Marciniak B, Oleszczuk J, Leszczyńska-Gorzelak B. Fetal programming of the metabolic syndrome. Taiwan J Obstet Gynecol. 2017 Apr;56(2):133-138.

Elango R, Ball RO. Protein and Amino Acid Requirements during Pregnancy. Adv Nutr. 2016 Jul 15;7(4):839S-44S.

Dietary Reference Intakes – Journal of the American Dietetic Association; 101(3), 2001. Http/www.nap.edu

Stang J, Huffman LG. Position of the Academy of Nutrition and Dietetics: Obesity, Reproduction, and Pregnancy Outcomes. J Acad Nutr Diet. 2016 Apr;116(4):677-91.

Mousa A, Naqash A, Lim S. Macronutrient and Micronutrient Intake during Pregnancy: An Overview of Recent Evidence. Nutrients. 2019 Feb 20;11(2).

Troesch B, Biesalski HK, Bos R, Buskens E, Calder PC, Saris WH, Spieldenner J, Verkade HJ, Weber P, Eggersdorfer M. Increased Intake of Foods with High Nutrient Density Can Help to Break the Intergenerational Cycle of Malnutrition and Obesity. Nutrients. 2015 Jul 21;7(7):6016-37.

Drewnowski A, Fulgoni VL 3rd. Nutrient density: principles and evaluation tools. Am J Clin Nutr. 2014 May;99(5 Suppl):1223S-8S.

Paixão TC, Babadopulos AL. Senado Federal. Orientações Nutricionais: da gestação à primeira infância, 2015. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/institucional/programas/pro-equidade/pdf/cartilha-orientacoes-nutricionais-da-gestacao-a-primeira-infancia

Fonte: Assessoria de Imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário