sábado, 15 de agosto de 2020

9ª MOSTRA ECOFALANTE DE CINEMA APRESENTA 98 FILMES DE 24 PAÍSES EM EDIÇÃO VIRTUAL E GRATUITA


De 12 de agosto a 20 de setembro, a Mostra Ecofalante de Cinema chega à sua 9ª edição de forma totalmente online e gratuita.  A programação do mais importante evento audiovisual sul-americano dedicado às temáticas socioambientais reúne 98 títulos de 24 países, muitos deles inéditos no Brasil.

A grade de programação prevê novidades diárias, com até 11 diferentes sessões por dia. Ao longo das seis semanas do evento, os títulos ficam disponíveis sempre às 15h por períodos de 24 horas, com até cinco dias de exibições cada um.

O cardápio da 9ª Mostra Ecofalante de Cinema está organizado nas seções Panorama Internacional Contemporâneo, que é dividida em sete temáticas e reúne obras inéditas e com carreira em importantes eventos internacionais, Competição Latino-Americana, que premia os melhores filmes com temática socioambiental da América Latina, Competição Curta Ecofalante, com curtas-metragens produzidos por estudantes, e Clássicos e Premiados, que estreia este ano e traz destaques da cinematografia brasileira voltada à temática socioambiental, reunindo documentários e longas-metragens de ficção produzidos entre 1974 e 2018.

"Em junho deste ano já tivemos a experiência de realizar um festival online com o Especial Semana do Meio Ambiente, em parceria com a plataforma Videocamp, que contou com cinco filmes e seis debates exibidos no Facebook e no YouTube. Tivemos sessões em 490 cidades do Brasil e a participação de quase 30 mil pessoas nos filmes e debates", conta Chico Guariba, diretor do festival. "Agora, levaremos nossa programação para três plataformas com o objetivo de democratizar ainda mais o acesso e atingir novos públicos".

Panorama Internacional Contemporâneo

Com 31 produções, sendo 16 inéditas no pais, o "Panorama Internacional Contemporâneo" é dividido em sete temáticas (Ativismo, Consumo, Economia, Emergência Climática, Povos e Lugares, Tecnologia e Trabalho) e traz representantes de 16 países. Entre as produções que serão exibidas pela primeira vez no  Brasil, os destaques são "Botando pra Quebrar" (França), de Lech Kowalski, selecionado para o Festival de Cannes, "Patrimônio" (México/EUA) dirigido pela vencedora do Emmy, Lisa H. Jackson em dupla com Sarah Teale, "Jawline: Ascensão e Queda de Austyn Tester" (EUA), de Liza Mandelup, premiado no Festival de Sundance, "Tomates, Molho e Wagner", de Marianna Economou ,indicado da Grécia ao Oscar de melhor filme internacional, "Exodus" (Irã), dirigido por Bahman Kiarostami, filho do cineasta Abbas Kiarostami, "Olá, IA" (Alemanha), de Isa Willinger, exibido nos festivais IDFA-Amsterdã, Visions du Réel e Hot Docs, "Beleza Tóxica" (Canadá) de Phyllis Ellis, eleito melhor documentário canadense no Festival de Calgary,  e "Ouro da Morte" (África do Sul), de Catherine Meyburgh e Richard Pakleppa.

O Panorama Internacional traz ainda "Dolores" (EUA), de Peter Bratt, ganhou repercussão no Festival de Sundance e conta com produção executiva do músico Carlos Santana"Ma'Ohi Nui", (Bélgica) de Annick Ghijzelings, selecionado para o Festival de Berlim deste ano, "Vulcão de Lama" (EUA), dirigido pela vencedora do Oscar Cynthia Wade em parceria com Sasha Friedlander, "Golpe Corporativo" (Canadá/EUA) de Fred Peabody, esteve nos principais festivais de documentários como IDFA-Amsterdã e Hot Docs, "O Futuro do Trabalho e da Morte"( Reino Unido) de Sean Blacknell & Wayne Walsh, entre outros.

Competição Latino-Americana

Com um total de 25 títulos, entre longas, médias e curtas produzidos na Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia e Peru, a "Competição Latino-Americana" reúne sete obras inéditas no Brasil e outras três nunca exibidas em festivais. Os longas da Competição são: "Acqua Movie", novo filme do pernambucano Lírio Ferreira que tem no elenco Alessandra Negrini e Marcélia Cartaxo, "Amazônia Sociedade Anônima", de Estêvão Ciavatta, "Estou Me Guardando para Quando o Carnaval Chegar", de Marcelo Gomes, A Jangada de Welles", de Firmino Holanda e Petrus Cariry, "Soldados da Borracha, de Wolney Oliveira, "Indianara", de Aude Chevalier-Beaumel e Marcelo Barbosa, "Suspensão" (Colômbia) de Simón Uribe e  "Deus" (Chile), de Christopher Murray, Josefina Buschmann e Israel Pimentel que aborda a visita do Papa ao Chile, em 2018, onde o país vivia a maior crise religiosa de sua história.

Entre os médias e curtas-metragens da Competição Latino-Americana destaca-se "Ruivaldo, o Homem que Salvou a Terra" de Jorge Bodanzky, "Tuã Ingugu", de Daniela Thomas, o colombiano "O Deputado", de Samuel Moreno Alvarez, os argentinos "C.I.T.A. (Cooperativa Industrial Têxtil Argentina)" de Lucas Molina, Tadeo Suarez e Marcos Pretti e "Suquía" de Ezequiel Salinas, entre outros.

Clássicos e Premiados e Concurso Curta Ecofalante

Os "Clássicos e Premiados" é o novo programa da Mostra Ecofalante de Cinema. São 18 filmes considerados clássicos do cinema socioambiental brasileiro ou que foram premiados em eventos no Brasil e no exterior. O cineasta Jorge Bodanzky está presente com oito obras. O programa também traz produções assinadas por Vincent Carelli, Silvio Tendler Hermano Penna, Marcelo Pedroso, Caue Angeli, Ricardo Dias, entre outros.

Já o Concurso Curta Ecofalante, que tem apoio do WWF-Brasil, reúne 24 títulos que abordam temáticas relacionadas a pelo menos um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) propostos pela ONU na Agenda 2030 – são 17 objetivos que abrangem temas como erradicação da pobreza, saúde de qualidade, combate às mudanças climáticas e igualdade de gênero.

Entrevistas, debates, masterclass e formação

Uma série de dez entrevistas com diretores internacionais com filmes nesta edição da Mostra Ecofalante de Cinema é disponibilizada ao longo da programação. Com condução da jornalista Flávia Guerra, a série já tem confirmados os cineastas Lisa F. Jackson e Sarah Teale (de "Patrimônio", México/EUA), Cynthia Wade e Sasha Friedlander ("Vulcão de Lama", EUA), Fredrik Gertten ("Push: Ordem de Despejo", Suécia), Jérôme Fritel ("Os Senhores da Água", França), Marc Pierschel ("O Fim da Carne", Alemanha ), Cosima Dannoritzer ("Ladrões do Tempo", Espanha/França), Marianna Economou ("Tomates, Molho e Wagner", Grécia) e Jared P. Scott ("A Era das Consequências", EUA).

Também serão realizados debates virtuais, reunindo ativistas, cientistas e especialistas que discutem, entre outros temas, ativismo, consumo, economia, emergência climática, povos e lugares, tecnologia e trabalho. Entre os convidados estão a arquiteta e urbanista Raquel Rolnik, a ativista Preta Ferreira (MTST), Rodrigo Agostinho (Frente Parlamentar Ambientalista), Malu Ribeiro (Coordenadora da Rede das Águas da Fundação SOS Mata Atlântica, Ailton Krenak (liderança indígena), Ricardo Abramovay, professor de ciência ambiental na USP e sociólogo, Fabiana Alves (especialista de mudanças climáticas do Greenpeace Brasil), a ativista e jornalista Rebeca Lerer, Mário Mantovani (SOS Mata Atlântica), Paloma Costa Oliveira (Coordenadora do Engajamundo e assessora do ISA), o sociólogo Ricardo Antunes, Eduardo Santos, ativista vegano (Vegano Periférico), Rita von Hunty (do canal YouTube Tempero Drag) e Fábio Malini (professor e pesquisador sobre ciência de dados da Universidade Federal do Espírito Santo).

Os debates serão realizados sempre às quartas-feiras e sábados, conforme a programação abaixo:

15/08 (sábado), às 19h: Economia - Financeirização da Mercado Imobiliário
19/08 (quarta), às 19h: Economia - Privatização da água e interesses corporativos
22/08 (sábado), às 17h: Emergência climática - Emergência climática e o Green Deal  (horário a confirmar)
26/08 (quarta), às 19h: Ativismo: Ativismo em tempos não-democráticos
29/08 (sábado), às 19h: Trabalho: A aceleração da precarização e movimentos de resistência
02/09 (quarta), às 19h: Povos e Lugares: Migrações no século 21
05/09 (sábado), às 19h: Consumo: É possível mudar o paradigma do consumo no pós-pandemia?
09/09 (quarta), às 19h: Tecnologia: Qual é a real influência dos influencers?

A programação inclui ainda uma Masterclass com Cristina Amaral, responsável pela montagem de filmes de diretores como Andrea Tonacci, Carlos Reichenbach, Edgard Navarro Filho, Carlos Adriano, Guilherme de Almeida Prado, Lina Chamie, Denoy de Oliveira, Joel Yamaji e Raquel Gerber, entre outros. A masterclass acontece no mês de setembro, em data e horário a serem anunciados. Já uma atividade de formação é ministrada pelo cineasta e curador Francisco Cesar Filho, diretor dos longas-metragens "Augustas" e "Futuro do Pretérito - Tropicalismo Now!" e organizador de diversos eventos.  As datas, assim como o processo de inscrição dos interessados, serão divulgados oportunamente. 

Todas as exibições e entrevistas poderão ser acessadas na plataforma Ecofalante pelo endereço www.ecofalante.org.br e os debates serão transmitidos ao vivo no Facebook (facebook.com/mostraecofalante) e no Youtube (youtube.com/mostraecofalante). Os filmes também poderão ser acessados pela Videocamp e pela Spcine Play.

Uma apresentação do Ministério do Turismo, Secretaria Especial da Cultura, do Governo do Estado de São Paulo – por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa – e da Ecofalante, a Mostra Ecofalante de Cinema é viabilizada através da Lei de Incentivo à Cultura e do Programa de Apoio à Cultura (ProAC). Tem patrocínio do Mercado Livre, Spcine e da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo, e apoio da White Martins, Kimberly Clark e Pepsico. É uma produção da Doc & Outras Coisas e co-produção da Química Cultural. A realização é da Ecofalante, do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, do Ministério do Turismo e do Governo Federal.

O evento tem apoio institucional dos seguintes parceiros: Videocamp, Instituto Socioambiental (ISA), WWF-Brasil, SOS Mata Atlântica, Brasil no Clima, Greenpeace Brasil, Le Monde Diplomatique Brasil, Revista Piauí, Observatório do Clima, ClimaInfo, Envolverde, GIFE, eCycle, Editora Horizonte, GreenMe, Instituto Chão, IAB-SP, Autossustentável, Engajamundo, Iniciativa Verde, Conexão Planeta, PorQueNão?, Fórum Popular da Natureza,  Fórum Social Américas das Migrações e Fórum Internacional Fontié ki Kwaze - Fronteiras Cruzadas.
  
 *** DADOS SOBRE OS FILMES ***
(inclui links para websites oficiais e para trailers)

1.                 Panorama Internacional Contemporâneo                
2.                 Competição Latino-Americana                                 
3.                 Concurso Curta Ecofalante                                      
4.                 Clássicos e Premiados                                            
1.    PANORAMA INTERNACIONAL CONTEMPORÂNEO
(sete temáticas - 31 filmes)

1.1 ATIVISMO (5 longas)

"Dolores" (EUA, 2017, 95 min) - Peter Bratt
Dolores Huerta é uma das mais importantes, embora pouco conhecidas, ativistas da história dos Estados Unidos. Cofundadora da Farm Workers Union, contribuiu enormemente para a luta por direitos trabalhistas, igualdade racial e paridade de gênero, tornando-se uma das mais notórias feministas do século XX. O filme conta a história de uma vida dedicada à mudança social.
* obra conta com produção executiva do músico Carlos Santana
* vencedor do prêmio do público de melhor documentário no Festival de São Francisco e o prêmio de melhor documentário no Festival de Seattle
* exibido nos festivais de Sundance e Hot Docs

"Patrimônio" ("Patrimonio", México/EUA, 2018, 85 min) – Lisa F. Jackson e Sarah Teale
O documentário retrata a luta de 3 anos de uma pequena comunidade na costa pacífica mexicana contra um mega-empreendimento norte-americano. O projeto imobiliário, tido como "sustentável" e "holístico", ameaça o acesso da comunidade de pescadores a escassa água, à costa, ao seu patrimônio.
* inédito no Brasil
* exibido no Festival de Berlim e no San Francisco Green Film Festival

* a diretora Lisa F. Jackson já venceu dois Emmy Awards e um prêmio do júri no festival de Sundance.
trailer legendado: https://youtu.be/IXdIFEA2xOE 

"Sufocado" ("Beathless", Bélgica, 2018, 77 min) – Daniel Lambo
Após a morte de seu pai e muitos outros em sua aldeia na Flandres, o diretor Daniel Lambo embarca em uma emocionante busca para descobrir a verdade sobre a perigosa indústria do amianto. Sua pesquisa a leva ao maior aterro ao ar livre de amianto da Índia e revela uma indústria impiedosa que continua a pôr em risco a vida dos trabalhadores e consumidores até os dias de hoje.
* inédito no Brasil
* vencedor do Flemish Film Award de melhor documentário, de menção especial de longa-metragem documentário ambiental no Festival Life After Oil, do Grande Prêmio Fethi Kayaalp no BIFED – Festival Internacional de Filmes Ecológicos de Bozcaada

* exibido no Festival de Bruxelas e no Ekotopfilm-Envirofilm
trailer legendado: https://youtu.be/D-xMtzGI0Kg

"Triste Oceano" ("Blue", Austrália, 2017, 76 min) – Karina Holden
Metade de toda a vida marinha foi perdida nos últimos 40 anos. Em 2050, haverá mais plástico do que peixes nos mares. Diferente do que imaginamos nos últimos séculos, o oceano não é um lugar de recursos ilimitados, imune à mudança e ao declínio. Através de entrevistas com apaixonados ativistas, o filme desvela a história das mudanças em nosso oceano para defender a necessidade de preservá-lo.
* exibido nos festivais de Sydney, Melbourne, Brisbane, Planet in Focus e NZ International
* vencedor do prêmio de melhor fotografia de documentário nos AACTA Awards

"Vulcão de Lama: A Luta Contra a Injustiça" (Grit", EUA, 2018, 80 min) – Cynthia Wade e Sasha Friedlander
Um tsunami de lama em ebulição soterra 16 vilarejos de uma área industrial e residencial de Java Oriental, na Indonésia, desalojando mais de 60 mil pessoas. Dezenas de fábricas, escolas e mesquitas ficam submersas sob uma paisagem de lama rachada. Cientistas afirmam que a tragédia se deveu às atividades de fracking (extração de gás de xisto), que acidentalmente atingiram um vulcão de lama subterrâneo. Dian, na época ainda criança, é hoje uma jovem ativista que mobiliza seus vizinhos na luta por justiça, questionando o papel do poder e dinheiro de grandes corporações.
* a codiretora Cynthia Wade já venceu o Oscar de melhor curta documental em 2008 e foi indicada na mesma categoria em 2013, tendo conquistado mais de 40 prêmios em festivais internacionais.

* o filme estreou no festival Hot Docs e conquistou dois prêmios no Seoul Eco Film Festival

1.2 CONSUMO (4 longas)

"Beleza Tóxica" ("Toxic Beauty", Canadá, 2019, 90 min) – Phyllis Ellis
Para muitos de nós, faz parte de uma rotina: os cuidados com higiene e os produtos que usamos diariamente nos colocam em contato com centenas de substâncias químicas. As companhias multi-bilionárias da indústria cosmética nos asseguram que não há razão para se preocupar, no entanto, uma ação judicial coletiva histórica contra a Johnson & Johnson e seu talco para bebês afirma que a multinacional sabia dos ingredientes cancerígenos mas nada fez. Beleza Tóxica é um documentário contundente sobre a falta de regulação da indústria cosmética e sobre o verdadeiro custo da beleza.
* inédito no Brasil
* exibido nos festivais Hot Docs, Raindance Film Festival, Calgary e DOXA
* venceu o prêmio de melhor documentário canadense no Festival de Calgary

"O Custo do Vício Digital" ("Death by Design", EUA, 2016, 74 min) – Sue Williams
Consumidores amam – e não podem viver sem – seus smartphones, tablets e laptops. Uma miríade de novos dispositivos inunda o mercado prometendo ainda mais comunicação, entretenimento 24h por dia e informação instantânea. Mas essa revolução tem seu lado sombrio. De funestas condições de trabalho na China a famílias intoxicadas em NY e aos corredores ultra-tecnológicos do Vale do Silício, o filme revela como até o menor aparelho eletrônico carrega custos fatais para o meio-ambiente e para nossa saúde.
* o filme recebeu menção honrosa no Sheffield DocFest
* a diretora já venceu, entre muitos prêmios, o Cine Golden Eagle, Chris Awards e dois Edgar Dale Awards por melhor roteiro

"O Fim da Carne" ("The End of Meat", Alemanha, 2017, 94 min)
O cineasta e ativista dos direitos animais Marc Pierschel embarca em uma jornada para descobrir que efeito um mundo pós-carne teria no meio ambiente, nos animais e em nós mesmos. Ele conhece Esther, o Porco Maravilha, que se tornou um fenômeno da Internet; conversa com pioneiros que lideram a revolução vegana na Alemanha; visita a primeira cidade totalmente vegetariana da Índia; testemunha a alegria de animais de fazenda recém-resgatados; observa os futuros inovadores em alimentos que produzem carne e laticínios sem os animais, colhendo "bacon" do oceano e muito mais. 

exibido nos festivais de Santa Barbara e Raindance
trailer com legendas (acionar a legenda em português): https://youtu.be/BZ84lpwcM90 

"Superalimentos" ("The Superfood Chain", Canadá, 2018, 70 min) - Ann Shin
Todos os anos um novo "superalimento", com propriedades nutricionais extraordinárias, é apresentado ao ocidente. Este filme explora os fatos e mitos por trás dos superalimentos. Revela o efeito cascata dessa indústria nas famílias de agricultores e pescadores mundo afora, explorando paisagens e povos da Bolívia, Etiópia e do arquipélago de Haida Gwaii, no Canadá. Divulga ainda os grandes problemas gerados pela globalização dos superalimentos, incluindo efeitos imprevistos na saúde, segurança alimentar, agricultura sustentável e nas práticas de comércio justo.
* exibido nos festivais Planet in Focus e One Earth
* a diretora já foi indicada ao News and Documentary Emmy Award em 2017

1.3. ECONOMIA (6 longas)

"Golpe Corporativo" ("The Corporate Coup d'État", Canadá/EUA, 2018, 90 min) – Fred Peabody
"Donald Trump não é a doença, é o sintoma." O filme narra a história por trás do "golpe corporativo" que se deu muito antes das últimas eleições. Tal golpe seria a origem de muitos dos problemas na democracia atual, controlada por lobistas e pelo corporativismo. Acompanhamos as consequências desastrosas para os mais vulneráveis da sociedade, incluindo residentes das chamadas "zonas de sacrifício", como o Cinturão da Ferrugem nos EUA, onde a indústria do aço já foi muito próspera, mas que hoje sofre com o fechamento de fábricas e a terceirização. O filme capta ainda histórias devastadoras dos moradores de Camden, na Nova Jersey, que vêm sofrendo os efeitos de ideologias e políticas neoliberais, globalistas e corporativistas.
* exibido nos festivais IDFA-Amsterdã e Hot Docs
* o diretor já venceu os Emmy Awards em 1989

"O Custo do Transporte Global" ("Freightened: The Real Price of Shipping", Espanha/França, 2016, 83 min) - Denis Delestrac
Noventa por cento dos bens que consumimos são fabricados em terras distantes e trazidos até nós por navios. O filme é uma audaciosa investigação sobre o funcionamento e a regulamentação dessa indústria, assim como os impactos socioambientais ocultos.
* exibido nos festivais San Francisco Green Film Fest, DocsBarcelona, Sheffield Doc/Fest e FICMA
* o diretor já conquistou mais de 30 prêmios internacionais e se tornou membro da European Film Academy em 2017

"Os Despossuídos" ("The Dispossessed", Canadá/ Suíça, 2017, 81min) - Mathieu Roy
Uma jornada impressionista que nos revela a luta diária da classe camponesa faminta. Em nossa era de agricultura industrializada, os produtores de alimentos recebem menos do que em qualquer outra profissão. O filme – parte cinéma vérité, parte ensaio – examina os mecanismos pelos quais pequenos agricultores entram num ciclo de desespero, endividamento e desapropriação. Filmado na Índia, Congo, Malawi, Suíça, Brasil e Canadá, com cenas magníficas e entrevistas cativantes, a obra acompanha ainda o êxodo rural de camponeses que deixam suas terras para trabalhar em canteiros de obras em megalópoles distópicas.
* exibido nos festivais Visions du Réel, Solothurner Filmtage, RIDM Rencontres Internationales du Documentaire de Montréal e Jihlava International Documentary Film Festival

"Os Senhores da Água" ("Lords of Water", França, 2019, 88 min) – Jérôme Fritel
A chamam de 'ouro azul'. Em todo o mundo, a demanda por água está explodindo. Até 2050, pelo menos um em cada quatro viverá em um país que sofre com a escassez de água - criando condições ideais para um novo mercado... Bancos e fundos de investimento estão correndo para investir bilhões de euros em qualquer coisa relacionada a água. Um novo monopólio já se criou. A financeirização da água é uma batalha que ocorre em muitas frentes: ideológica, política, ambiental e, é claro, econômica.
* inédito no Brasil
* exibido no Seoul Eco Film Festival e no IDFA-Amsterdã
* vencedor do prêmio Coup de Cœur do no Festival du Film Vert (Suíça)
* o diretor conquistou o prêmio Les Lauriers de la Radio et de la Télévision em 2012

"Push: Ordem de Despejo" ("Push", Suécia, 2019, 92 min) – Fredrik Gertten
Os preços das casas estão disparando nas cidades ao redor do mundo. A renda do cidadão comum, não. Push: Ordem de Despejo lança luz sobre um novo tipo de proprietário sem rosto, sobre nossas cidades cada vez mais inabitáveis e uma crise crescente que afeta todos nós.  O filme acompanha Leilani Farha, relatora especial da ONU sobre o Direito à Moradia, enquanto viaja pelo mundo, tentando entender quem está sendo expulso das cidades e por quê. "Eu acredito que há uma enorme diferença entre a habitação como uma mercadoria e o ouro como uma mercadoria. O ouro não é um direito humano; a habitação, sim ", diz Leilani.
* inédito no Brasil
* o filme conquistou premiações nos festivais CPH:DOX, DocsBarcelona, DocsMX e San Francisco Green Film Festival, entre outros
* exibido nos festivais Hot Docs, IDFA-Amsterdã, Sheffield DocFest e DOK.Fest
* o diretor conquistou o título de Honorary Doctor na Malmö University's Faculty of Culture and Society por seu trabalho como documentarista.

trailer legendado: https://youtu.be/_j0SCmivOGg

"Tomates, Molho e Wagner" ("When Tomatoes Met Wagner", Grécia, 2019, 72 min) – Marianna Economou
O filme acompanha a história de dois primos gregos e de seu plano engenhoso: com a ajuda de cinco mulheres de um pequeno povoado rural, pretendem invadir o mercado mundial com seus tomates orgânicos para sobreviver à austeridade e revitalizar o comércio de seu pequeno vilarejo grego.
* inédito no Brasil
* indicado oficialmente pela Grécia ao Oscar de melhor filme estrangeiro
* vencedor do prêmio do público no Festival de Heartland 
* exibido nos festivais Visions du Réel e Sarajevo

1.4. EMERGÊNCIA CLIMÁTICA (4 longas)

"A Era das Consequências" ("The Age of Consequences", EUA, 2017, 81 min) – Jared P. Scott
Uma investigação sobre os impactos das mudanças climáticas em conflitos ao redor do mundo, pelas lentes da Segurança Nacional dos EUA. O filme revela como a escassez de água e alimentos, a seca, as condições climáticas extremas e a elevação do nível do mar funcionam como "catalisadores de conflitos". Oficiais militares fazem análises para além das manchetes das crises de refugiados, da Primavera Árabe, dos conflitos na Síria e até mesmo do surgimento de grupos radicais como o Estado Islâmico, e revelam como os fenômenos decorrentes das mudanças climáticas interagem com as tensões sociais.
* o filme já foi indicado para o News & Documentary Emmy Awards e conquistou dois prêmios em 2017 no Waimea Ocean Film Festival 
* o diretor assina "A Grande Muralha Verde", exibido no Especial Semana do Meio Ambiente da Mostra Ecofalante. Ele já foi premiado em diversos festivais, entre eles o Sundance

"A Nova Era do Petróleo" ("Blowout, EUA, 2018, 80 min) - Zach Toombs
Jornalistas investigativos, cientistas e cidadãos traçam as conseqüências de um novo boom norte-americano de combustíveis fósseis. Desde os campos de petróleo do oeste do Texas até o tráfego de navios-tanque que rebentam o Canal do Panamá até uma revolução energética na Ásia, o filme mergulha nos impactos globais da energia norte-americana nos lucros, na saúde pública e nas mudanças climáticas.
* inédito do Brasil
* exibido no Environmental Film Festival in the Nation's Capital (Washington) e Wild and Scenic Film Festival e foi finalista no Scripps Howard Awards por Investigative Reporting
* o diretor foi indicado ao Emmy Awards em 2016.

"Breakpoint: Uma Outra História do Progresso" ("Breakpoint. A Counter-history of Progress", França, 2018, 98 min) - Jean-Robert Viallet
Ainda está sendo debatido se a humanidade mudou irreversivelmente o planeta. Hoje, o progresso é nossa razão de ser, proporcionando-nos a promessa de uma melhor qualidade de vida. Mas atrás da história impressionante do progresso, esconde-se outra história. Uma história escrita pelos poderosos: lideranças políticas, industrialistas, químicos, lobistas e financiadores que, ao longo de dois séculos, modelaram o nosso modo de vida, até o surgimento de uma nova era que traz consigo as mudanças climáticas: o antropoceno.
* inédito no Brasil
* vencedor do prêmio Special Mention Environment & Society no festival Cinemambiente
* exibido nos festivais Naturvision Film Festival e Greenpeace Film Festival

site oficial: n/a
trailer legendado: https://youtu.be/YXkwqKsS838

"O Mês Mais Quente" ("The Hottest August", EUA/Canadá, 2019, 95 min) - Brett Story
Com um aceno a "Crônica de Um Verão", seminal documentário cinéma vérité de Jean Rouch e Edgar Morin, a diretora canadense Brett Story aponta sua lente observacional para a cidade de Nova York e seus arredores durante o mês de agosto de 2017. Moradores refletem sobre o futuro à luz do governo Trump e demonstrações de supremacistas brancos enquanto incêndios e furacões se abatem nas duas costas do país.
* inédito no Brasil
* selecionado para os festivais SXSW, CPH:DOX, Sheffield DocFest e Hot Docs

1.5. POVOS E LUGARES (3 longas e 1 média)

"A Baleia de Lorino" ("Wieloryb z Lorino", Polônia, 2019, 59 min) - Maciej Cuske
Segundo o mito originário do povo chukchi, o ser humano nasceu da união da mãe primordial com uma baleia. Homem e baleia viveram felizes por muito tempo, até que um homem matou seu irmão baleia. A partir de então, a fome e o sofrimento prevalecem na terra. Para os chukchis, descendentes da mais antiga tribo siberiana, a caça anual de baleia é não só uma tradição, mas uma necessidade para sobreviver ao longo inverno numa das regiões mais inóspitas, na localidade de Lorino, próximo ao Estreito de Bering. Enquanto esperam pela captura da besta, compram sua comida a crédito no supermercado mal abastecido da aldeia. Um busto de Lênin olha do alto da praça da vila, em memória de uma época que também marcou profundamente a vida aqui, embora talvez de maneiras menos visíveis.
* inédito no Brasil
* exibido no IDFA-Amsterdã

"Exodus" (Irã, 2019, 77 min) – Bahman Kiarostami
Desde que o Irã abriu suas fronteiras para refugiados da Guerra Soviético-Afegã em 1979, tornou-se o lar de 2,5 milhões de afegãos, metade dos quais não estão documentados. Quando as sanções norte-americanas renovadas em 2018 causaram um colapso cambial no Irã, a população vulnerável de migrantes foi severamente afetada pela recessão. Agora, um grande número deles quer voltar para casa, mas para isso, precisam passar pelo Centro de Retorno, órgão responsável por processar os milhares de ilegais que saem do país regularmente. Sob o olhar humanista do diretor, testemunhamos as trocas entre os funcionários do centro e os afegãos - cada um de um lado do vidro.
* inédito no Brasil]
* o diretor é filho do falecido cineasta Abbas Kiarostami
* vencedor do prêmio de excelência (New Asian Currents) no Festival de Yamagata

* exibido nos festivais Doc Leipzig, Hot Docs e Montreal International Documentary Festival
site oficial: n/a
trailer com legendas em inglês: https://www.youtube.com/watch?v=kADay3pzE1A

"Ma'Ohi Nui" (Bélgica, 2018, 113 min) - Annick Ghijzelings
Por trinta anos, no final do século XX, o povo do Taiti sobreviveu a dezenas de testes nucleares do governo francês em sua costa. Desde que o país foi colonizado, em 1880, as explosões deixaram o povo taitiano vasculhando os restos de suas ilhas e cultura, em um esforço para manter vivos seus conhecimentos tradicionais. O filme oferece um vislumbre poético do Taiti contemporâneo e das lutas coloniais que seu povo ainda enfrenta, enquanto resistem para sustentar seu modo de vida.
* exibido nos festivais de Berlim, Cracóvia, Barents (Rússia) e Taïwan International Documentary

"Memórias do Oriente" ("Eastern Memories", Finlândia, 2018, 86 min) - Niklas Kullström e Marti Kaartinen
Um inesperado filme de viagem no Extremo Oriente da Mongólia e no Japão atuais. A história das viagens do linguista e diplomata finlandês G. J. Ramstedt ao velho mundo das crenças e tradições do final do século XIX, um mundo hoje substituído por ideologias e pela economia de mercado. Ele testemunhou os eventos dos últimos cem anos, e agora nos lembra de porque e como estamos aqui hoje. O filme entrelaça com perfeição o passado e o presente em uma jornada visualmente deslumbrante de exploração, aventura, amor e morte, conspirações e a queda das nações.
* vencedor do prêmio de melhor documentário internacional no Festival de Monterrey
* exibido nos festivais Doc Point Helsinki, CPH:DOX e DOK.fest Munich

1.6. TECNOLOGIA (4 longas)

"Bebês do Futuro" ("Future Baby", Áustria, 2016, 91 min) - Maria Arlamovsky
O que começou como uma tentativa de ajudar casais inférteis a terem filhos é hoje um lucrativo negócio de 'bebês industrializados'. As esperanças e desejos de futuros pais se misturam com pesquisas e uma tecnologia que aperfeiçoa embriões ao selecionar os genes mais desejáveis a dedo. O filme nos leva a pacientes, pesquisadores, doadores de óvulos, mães de aluguel, clínicas e laboratórios, e nos faz perguntar: quão longe queremos ir?
* vencedor de menção especial no Festival de Zurique
* exibido nos festivais Hot Docs e Dok Leipzig

"Jawline: Ascensão e Queda de Austyn Tester" ("Jawline", EUA, 2019, 93 min) – Liza Mandelup
O filme segue a ascensão nas redes sociais de Austyn Tester, um adolescente de 16 anos de uma pequena cidade rural de Tennessee, EUA. Suas lives cheias de otimismo ingênuo são seguidas por mais de 20 mil garotas ensandecidas. A diretora premiada Liza Mandelup, que começou a carreira na fotografia e como caçadora de talentos, faz um retrato complexo do universo impiedoso e explorador das mídias sociais, expondo os bastidores desta tecnologia ainda relativamente nova.
* inédito no Brasil
* vencedor do prêmio "U.S. Documentary Special Jury Award for Emerging Filmmaker" no Festival de Sundance e de menção honrosa no Festival de Documentários de Sheffield
* exibido no festival IDFA-Amsterdã
* a diretora entrou na lista da revista Filmmaker Magazine como uma das "25 New Faces of Independent Film 2017"

"O Futuro do Trabalho e da Morte" ("The Future of Work and Death", Reino Unido, 2016, 98 min) - Sean Blacknell e Wayne Walsh 
O documentário explora os impactos que a tecnologia do futuro pode vir a ter sobre duas características intrínsecas à experiência humana: o trabalho e a morte. Com a automação avançada e a inteligência artificial, a utopia do fim do trabalho humano ou a distopia do desemprego generalizado podem não ser mais coisa de ficção científica. Cientistas, engenheiros e acadêmicos compartilham suas ideias sobre o futuro.
* exibido nos festivais Roterdã, Raindance e CPH:DOX.

"Olá, IA" ("Hi, AI", Alemanha, 2019, 88 min) – Isa Willinger
Mistura ao mesmo tempo reveladora e lacônica de ficção científica e documentário, Olá, IA explora o universo eticamente complexo da inteligência artificial. Alternando entre um cientista americano solitário e uma família japonesa em busca de um companheiro para a avó, este drama futurista cheio de humor retrata pessoas em busca de conexão humana com os robôs que entraram em suas vidas.
* inédito no Brasil
* vencedor do prêmio de melhor documentário no Max Ophüls Preis
* exibido nos festivais CPH:DOX, DocsBarcelona, Montréal Festival of New Cinema, Seoul Eco Film Festival, IDFA-Amsterdã, Sheffield DocFest, Visions du Réel e Hot Docs

1.7. TRABALHO (2 longas e 2 médias)

"Botando pra Quebrar" ("On va Tout Péter", França, 2019, 109 min) – Lech Kowalski

"Uma mistura de Rock'n'roll e Blues é o segredo para uma rebelião bem-sucedida" diz o cineasta. Quando Lech Kowalski, conhecido por seus filmes sobre a era punk, levou sua câmera para a pequena cidade de La Souterraine, no interior da França, onde a fábrica GM&S ameaçava encerrar suas atividades para sempre, sentiu que algo de extraordinário estava por acontecer. E aconteceu. "A letra foi escrita por trabalhadores que não aguentavam mais! A melodia foi composta por pessoas sem medo de ir até contras as próprias regras da revolta! O volume era alto o bastante para atrair a mídia. O seu concerto operário se propagou por toda a França como um incêndio. Fiquei fora do quadro, câmera na mão, filmando como pescando peixe num barril".
* inédito no Brasil
* exibido Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes, no IDFA-Amsterdã e Festival de Sevilla

"Indústria Russa" ("The Russian Job", República Tcheca, 2017, 64 min) - Petr Horky
A AvtoVAZ Car, antiga fábrica da Lada, não é só uma das maiores fábricas de automóveis do mundo; construída nos anos 70 na cidade russa de Tolyatti, às margens do rio Volga, chegou a representar o milagre da prosperidade soviética. Quase cinco décadas mais tarde, a fábrica perde bilhões de rublos todos os anos enquanto a produção vai decaindo. Quando Bo Andersson, gerente sueco especializado em salvar companhias em dificuldades é contratado, se depara com obstáculos muito maiores que simples má gestão.
* inédito no Brasil
* exibido no festival IDFA-Amsterdã

"Ladrões de Tempo" ("Time Thieves", Espanha/França, 2018, 52 min) – Cosima Dannoritzer
Deixe a água, o petróleo e os metais raros de lado por um momento. Há um novo recurso cobiçado por todos: o (nosso) tempo. Desde nos deixar imprimir o próprio cartão de embarque e despachar a bagagem, a lucrar com nossas visualizações de páginas e cliques, este filme revela como companhias e redes sociais monetizam o nosso tempo sem o nosso conhecimento, fazendo dele o seu modelo de negócio, destruindo milhões de empregos e controlando nosso comportamento. 
* inédito no Brasil 

* vencedor do prêmio de melhor montagem no United Nations Association Film Festival

 e de menção especial no Festival Cine Verde
* exibido nos festivais Reel Work Labor e DocsBarcelona

* a diretora assina também "A Tragédia do Lixo Eletrônico", exibido na 5ª Mostra Ecofalante de Cinema, e "The Light Bulb Conspiracy", vencedor de 12 prêmios internacionais
trailer legendado: https://youtu.be/2XNFPmIlJzk

"Ouro da Morte" ("Dying for Gold", África do Sul, 2019, 98 min) - Catherine Meyburgh e Richard Pakleppa
Quando governos coloniais descobriram ouro na África do Sul, coagiram centenas de milhares de nativos a trabalharem nas minas. Parte de um projeto de remoção dos povos autóctones de suas terras, a entrada quase forçada na mineração significou, para a maioria dos operários, o contato com condições subumanas de trabalho e a exposição ao pó de sílica, o que levou a uma das maiores epidemias de silicose e tuberculose no mundo. Depoimentos devastadores de mineiros e suas famílias são intercalados com materiais de arquivo chocantes que expõem mais de 120 anos desta história de opressão.
* inédito no Brasil
* vencedor do prêmio de melhor documentário no Rapid Lion Film Festival
exibido no festival Hot Docs e no Festival de Johannesburg

trailer legendado: https://youtu.be/30n2_L1trKk 

2. COMPETIÇÃO LATINO-AMERICANA (25 filmes)

2.1 Competição de Longas-Metragens (8)

"A Jangada de Welles" (Brasil, 2019, 75 min) - Firmino Holanda e Petrus Cariry
Em 1942, Orson Welles filmava no Brasil o documentário "It's All True" ("É Tudo Verdade"), sobre o carnaval carioca e os jangadeiros cearenses. O líder desses pescadores, Manuel "Jacaré", morreria acidentalmente nas filmagens no Rio de Janeiro. Este fato evoca memórias do Estado Novo, da atribulada passagem de Welles pelo Brasil e da luta dos jangadeiros por direitos trabalhistas.
* exibido Festival de Havana e na Mostra Internacional de Cinema São Paulo

"Acqua Movie" (Brasil, 2019, 105 min) - Lírio Ferreira
Numa fria manhã na cidade de São Paulo, Cícero, um menino de 12 anos, depara-se com seu pai morto no banheiro de casa, vitimado por um infarto fulminante. Sua mãe está na floresta amazônica realizando um documentário sobre causas indígenas. Esse é o ponto de partida deste filme de estrada onde mãe e filho tentam, em meio ao sol escaldante do semiárido nordestino, atravessado por canais de transposição das águas do Rio São Francisco, reinventar a narrativa do afeto.
* vencedor do prêmio de melhor ator coadjuvante (para Augusto Madeira) no Festival do Rio
* exibido na Mostra Internacional de Cinema São Paulo e Mostra de Tiradentes


"Amazônia Sociedade Anônima" (Brasil, 2019, 72 min) - Estêvão Ciavatta
Diante do fracasso do governo brasileiro em proteger a Amazônia, índios e ribeirinhos, em uma união inédita liderada pelo Cacique Juarez Saw Munduruku, enfrentam máfias de roubo de terras e desmatamento ilegal para salvar a floresta.
* exibido no Festival do Rio, no FIGRA - Festival International du Grand Reportage d'Actualité et du Documentaire de Société

"Deus" ("Dios", Chile, 2019, 63 min) - Christopher Murray, Josefina Buschmann e Israel Pimentel
Em um país no fim do mundo, chega a mais alta autoridade da Igreja Católica. O Papa vem trazer a palavra de Deus, mas o Chile o espera em meio à crise religiosa mais importante de sua história.
* inédito no Brasil
* vencedor do prêmio do Júri Jovem no festival Visions du Réel, prêmio do júri no Watchdocs e menção honrosa no Ñublecine
* exibido no festival Transcinema (Peru) e no Dok Leipzig
* o diretor Christopher Murray assina também "O Cristo Cego", premiado em diversos festivais

"Estou me Guardando para Quando o Carnaval Chegar" (Brasil, 2019, 85 min) - Marcelo Gomes
A cidade de Toritama é um microcosmo do capitalismo implacável: a cada ano, mais de 20 milhões de jeans são produzidos em fábricas de fundo de quintal. Os moradores trabalham sem parar, orgulhosos de serem os donos do seu próprio tempo. Durante o Carnaval - o único momento de lazer do ano -, eles transgridem a lógica da acumulação de bens, vendem seus pertences sem arrependimentos e fogem para as praias em busca de uma felicidade efêmera.
* vencedor do prêmio da crítica e de menção honrosa no festival É Tudo Verdade
* exibido na mostra Panorama do Festival de Berlim Olhar de Cinema, Olhar de Cinema, IDFA-Amsterdã, Sheffield DocFest e Festival de Chicago

"Indianara" (Brasil, 2019, 92 min) - Aude Chevalier-Beaumel e Marcelo Barbosa
A revolucionária Indianara luta com seu bando pela sobrevivência das pessoas transgêneras no Brasil. No abrigo que ela fundou, nas ruas e nas manifestações, ela se empenha em colocar em prática seus ideais, inclusive em seu relacionamento com Maurício, seu marido. Perto dos seus cinquenta anos, frente aos ataques do seu partido político e sofrendo o avanço do totalitarismo, ela junta suas força para um último ato de resistência.
* exibido no Festival de Cannes, onde concorreu à Palma Queer, prêmio dado a filmes de temática LGBT.
* vencedor de menção honrosa no festival Olhar de Cinema, prêmio da crítica no Festival Aruanda, melhor documentário no Festival Chéries-Chéris (Paris) e prêmio do público no Festival Brésil en Mouvement (Paris)

"Soldados da Borracha" (Brasil, 2019, 82 min) - Wolney Oliveira
A saga de cerca de 60 mil brasileiros, enviados para a região amazônica pelos governos do Brasil e dos Estados Unidos durante a segunda Guerra Mundial, em mirabolante plano para extrair látex, material estratégico imprescindível para a vitória dos Aliados. As promessas da volta a casa como heróis da pátria e de aposentadoria equivalente à dos militares, nunca se cumpriram. Hoje centenas deles, já com idade avançada e em situação de pobreza, esperam o dia do reconhecimento oficial.
* vencedor do prêmio ABD-SP no festival É Tudo Verdade
* exibido nos festivais Cine Ceará, Pachamama - Cinema de Fronteira, Festival de Brasília de Cinema Brasileiro e Festaruanda

"Suspensão" ("Suspensión", Colômbia, 2019, 73 min) - Simón Uribe
Nas selvas do sul da Colômbia, há uma grande ponte de concreto abandonada. A ponte colide com a montanha, e é o fim de uma estrada que não leva a lugar algum. Esse trabalho de infraestrutura simboliza a obsessão de várias gerações de engenheiros, que tentaram transpor as imponentes montanhas ao pé da Amazônia. Depois de quase um século de tentativas, as promessas de uma estrada moderna se perderam, e a ponte se tornou cenário das situações mais absurdas. Trabalhadores, engenheiros e turistas passam pelo teatro ilusório da infraestrutura. Todos parecem perdidos no tempo, até que ocorre um incidente inesperado.
* exibido no IDFA-Amsterdã

2.2 Competição de Médias e Curtas-Metragens (17)

"C.I.T.A. (Cooperativa Industrial Têxtil Argentina)" ("C.I.T.A. (Cooperativa Industrial Textil Argentina)", Argentina, 2019, 19 min) - Lucas Molina, Tadeo Suarez e Marcos Pretti
O filme relata a resistência e o espírito de luta de um grupo de trabalhadores que seguem funcionando de modo cooperativo, apesar das diferentes políticas neoliberais que atentam contra o crescimento da indústria nacional. A filmagem teve lugar em plena crise do governo macrista, e ninguém sabia que as imagens aqui recolhidas da produção industrial da cooperativa seriam as últimas.
* inédito no Brasil
* exibido nos Festival de Toulouse, Festival Internacional de Cine de Derechos Humanos (Buenos Aires) e Festival Nacional de Cine y Video Documental Rosario

"Caranguejo Rei" (Brasil, 2019, 23 min) - Enock Carvalho e Matheus Farias
Eduardo (Tavinho Teixeira) tem uma doença misteriosa em seu corpo. A aparição de caranguejos por toda a cidade do Recife pode ter algo a ver com isso.
* exibido nos festivais Olhar de Cinema, L'Étrange Film Festival, CineBH e Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

"Guaxuma" (Brasil, 2018, 14 min) - Nara Normande
"Eu e a Tayra crescemos juntas na praia de Guaxuma. A gente era inseparável. O sopro do mar me traz boas lembranças."
* vencedor do prêmio de melhor curta-metragem documentário no Festival de Hamptons (EUA), grande prêmio do júri para curta-metragem de animação no festival SXSW, melhor curta-metragem de animação no AIFA Fest (EUA), melhor curta-metragem ibero-americano no Festival de Guadalajara, prêmio do público no IndieLisboa, melhor animação no Festival de Nova Orleans, melhor curta-metragem internacional no Festival de Palm Springs, melhor curta-metragem e no Festival de Gramado, prêmio do público e Prêmio ABCA na Mostra Internacional de Cinema São Paulo e prêmio Canal Brasil no festival Anima Mundi
* exibido no IDFA-Amsterdã e no Festival de Clermont-Ferrand

"Liberdade" (Brasil, 2018, 25 min) - Pedro Nishi e Vinícius Silva
Sow, Abou e Satsuki se encontram em um bairro de São Paulo chamado Liberdade. Uma história sobre imigração, assombrações e resistência.
* vencedor do prêmio ABD no Curta Kinoforum e do prêmio especial do júri no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro
* exibido no Encontro de Cinema Negro Zózimo Bulbul

"Mamapara" (Peru/Argentina/Bolívia, 2020, 17 min) - Alberto Flores Vilca
No altiplano peruano, Honorata Vilca, uma senhora analfabeta de ascendência quíchua, mora com seu cão e se dedica à venda de doces. Quando começa a estação das chuvas, ela relata passagens de sua vida, até que uma tarde, algo fatal acontece que parece fazer o próprio céu chorar.
* inédito no Brasil
* exibido nos festivais de Clermont-Ferrand, Toulouse, Muestra Cine + Video Indígena (Chile) e Transcinema (Peru)

"Mitos Indígenas em Travessia" (Brasil, 2019, 22 min) - Julia Vellutini e Wesley Rodrigues
Seis histórias indígenas dos tempos antigos das etnias Kuikuro (Aldeia Afukuri, Terra Índígena Parque do Xingu, Mato Grosso), Javaé (Aldeia São João, Terra Indígena Parque do Araguaia, Ilha do Bananal, Tocantins) e Kadiwéu (Aldeia São João, Terra Indígena Kadiwéu, Mato Grosso do Sul). Entre as histórias: A Ema, O Menino-Peixe, As Mulheres Sem Rosto, A Via Láctea, A Menina Cobra, e O Urubu-Rei.
* inédito em festivais

"Nova Iorque, Mais uma Cidade" ("New York, Petei Tetã ve Rive", Brasil/EUA, 2019, 18 min) - André Lopes e Joana Brandão
Jovem liderança e realizadora audiovisual, Patrícia Ferreira vem sendo reconhecida pelos documentários que realiza com o seu povo, os Guarani Mbya. Ao ser chamada para debater seus trabalhos em um dos maiores festivais de cinema etnográficos do mundo, o Margaret Mead Film Festival, realizado no Museu Americano de História Natural, em Nova Iorque, Patrícia se depara com uma série de exposições, debates e atitudes que a fazem refletir sobre o mundo dos "juruá", contrastando-o com os modos de existência guarani.
* inédito em festivais

"Nove Águas" (Brasil, 2019, 25 min) - Gabriel Martins e Quilombo dos Marques
Em 1930, Marcos e seu grupo de descendentes de escravizados saíram do Vale do Jequitinhonha rumo ao Vale do Mucuri. Fugindo da seca, da fome e da violência no campo, os quilombolas buscavam um novo território para construir sua comunidade. Dos tempos do desbravamento aos atuais, a história de luta por água e terra protagonizada pelos moradores do Quilombo Marques, no Vale do Mucuri, em Minas Gerais.
* o filme tem produção quilombola
* exibido no BOGOSHORTS - Festival de Curtas-Metragens de Bogotá, Curta Cinema, Curta Kinoforum, FestCurtasBH

"O Delegado" ("Alguacer", Colômbia, 2019, 26 min) - Samuel Moreno Alvarez
Fernando, um indígena Kamëntsá comum, foi eleito delegado. Ele deve superar seus próprios dilemas e decidir se realmente gosta do que faz, ou se quer voltar à sua antiga vida.
* inédito no Brasil
* exibido nos festivais de Vilnius, Visions du Réel, FIDBA - Festival de Documentários de Buenos Aires e BOGOSHORTS - Festival de Curtas-Metragens de Bogotá

"O Fim da Eternidade" ("El Fin de La Eternidad", Argentina/Peru, 2019, 10 min) - Pablo Radice
O filme reúne crônicas antigas que registram sonhos coletivos, por meio de testemunhos dos moradores mais antigos da comunidade indígena Ese Eja, evidenciando a solidão e o esquecimento.
* vencedor do prêmio de melhor curta-metragem no FIDBA – Festival de Documentários de Buenos Aires
* exibido nos festivais de Havana, DocsMX (México) e BOGOSHORTS - Festival de Curtas-Metragens de Bogotá
trailer: https://vimeo.com/278770392

"O Fogo que Vimos" ("El Fuego Que Vimos", Argentina, 2019, 12 min) - Pilar Condomí e Candelaria Gutierrez
Depois de ver uma foto em um jornal sobre uma série de incêndios florestais na Patagônia, duas jovens decidem, em um jogo aleatório, viajar para Bariloche. Elas vão procurar o fogo e, em vez disso, encontram os membros da brigada da S.P.L.I.F. (Serviço de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais). Enquanto estiveram com eles, não houve fogo. O único fogo que viram foi gerado especialmente para elas. Um ensaio que procura, através destes homens, fazer uma reflexão sobre a escala humana em relação à paisagem.
* inédito no Brasil
* exibido no Festival de Mar del Plata

"O Levante dos Andes - A Cidade-tampão que Se Reinventa Através da Arquitetura" ("Andes Uprising, a Buffer City Re-inventing Itself Through Architecture", Alemanha/Bolívia,
2019, 14 min) - Bernardo Villagra Meruvia
El Alto, na Bolívia, está crescendo rapidamente - sem controle, mas não sem forma. Investigando a estética urbana, encontramos os Cholets: palácios em miniatura que servem como instalações residenciais e comerciais para ricas famílias indígenas Aymara. As construções coloridas e brilhantes se assemelham a naves espaciais perdidas nos terrenos baldios urbanos. O duplo movimento entre os comentários dos especialistas e a sinfonia da cidade revela as bases sociais dessa arquitetura eclética.
* inédito no Brasil
* exibido no festival Dok Leipzig

"Por Trás da Cortina Verde" (Brasil, 2019, 29 min) - Caio Silva Ferraz e Paulo Plá
O documentário apresenta a dura realidade enfrentada pelas comunidades camponesas da região do Alto Vale do Jequitinhonha, no Nordeste de Minas Gerais, diante da degradação socioambiental provocada pela implantação da monocultura do eucalipto desde a década de 1970. Este é um pequeno recorte narrado por sujeitos do próprio lugar em sintonia com diversos estudos científicos realizados sobre o caso.
* inédito em festivais

"Resplendor" (Brasil, 2019, 52 min) - Claudia Nunes e Erico Rassi
A Comissão Nacional da Verdade, instalada em 2011 para apurar crimes cometidos durante a ditadura militar, trouxe a público um capítulo ainda muito obscuro da nossa história: a existência de um centro de detenção indígena, na cidade de Resplendor (MG), chamado Reformatório Krenak. Instalado primeiramente dentro do território da etnia Krenak, e posteriormente transferido para Carmésia, aprisionou e torturou não apenas indígenas Krenak, mas diversas outras etnias como os Pataxó, impondo restrições às suas práticas ancestrais sob implacável vigilância dos militares. O documentário mostra como funcionou este campo de concentração, e as conseqüências deste trauma coletivo para os povos indígenas afetados.
* vencedor de menção honrosa no festival Visões Periféricas
* exibido nos festivais de Havana, Ismailia (Egito); FICIP - Festival de Cine Político (Argentina), CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto e Cine Esquema Novo

"Ruivaldo, o Homem que Salvou a Terra" (Brasil, 2019, 45 min) - Jorge Bodanzky e João Farkas
No Brasil, no estado de Mato Grosso do Sul, na região do rio Taquari, o crescente e contínuo assoreamento dos rios levou ao transbordamento de águas e inundações de terras ao longo dos anos, causando mudanças significativas na vida de seus habitantes. Isso tornou impossível cultivar o solo e criar gado, um meio de subsistência para as famílias locais. Um membro dessas famílias, Ruivaldo Nery Andrade, nosso personagem guia, luta para salvar sua fazenda, construindo um sistema de diques manual para conter e alterar o curso das águas invasoras e, assim, retomar suas atividades e garantir a sobrevivência da terra. Com entrevistas locais e conduzido pelo fotógrafo João Farkas, que fotografa o Pantanal há seis anos, mostramos a riqueza da região e também como a trajetória de vida de Ruivaldo e de outros personagens foi afetada pela tragédia ambiental que ocorreu ali e a luta para reverter essa situação recorrendo à soluções engenhosas e criativas. 
* o filme teve première mundial em Bruxelas, na Bélgica, em setembro de 2019, e sua estreia nacional em streaming aconteceu no Especial Semana do Meio Ambiente da Mostra Ecofalante, realizado em junho de 2020

* o programa Clássicos e Premiados da 9ª Mostra Ecofalante de Cinema exibe oito títulos de Jorge Bodanzky: "Iracema - Uma Transa Amazônica" (1974), "Os Mucker" (1978), "Jari" (1979), "O Terceiro Milênio (1981), "Navegaramazônia – Uma Viagem com Jorge Mautner" (2006), "No Meio do Rio, Entre as Árvores (2009), "Era Uma Vez Iracema" (2015) e "Pandemonium" (2010)

"Suquía" (Argentina, 2019, 13 min) - Ezequiel Salinas
Uma jornada pela memória do rio Suquía, um rio escuro, cheio de desespero e ressentimento pelo seu povo. Mas, como o Nilo, o Sena ou o Ganges, é um rio que tem muito a sussurrar sobre a cidade que viu crescer nas suas margens.
* inédito no Brasil
* exibido nos festivais de Mar del Plata, IDFA-Amsterdã e Transcinema (Peru)

"Tuã Ingugu (Olhos d'Água)" (Brasil, 2019, 11 min) - Daniela Thomas
Na cosmogonia dos Kalapalo, etnia que vive no parque indígena do Xingú, a água é tão antiga quanto os humanos e é a fonte da vida. É dali que vem todo o sustento dos originários, seu alimento, sua bebida, seu banho, sua alegria. A ideia de usar a água como lixeira, de envenenar a água, é uma distopia. Em Tuã Ingugu (Olhos D'Água) o cacique Faremá - da aldeia Caramujo, nas margens do rio Kuluene - nos conta sobre o nascimento da água e nos adverte sobre os consequências de desrespeitá-la.
* exibido no Festival do Rio, Curta Cinema e Mostra Internacional de Cinema São Paulo
* a diretora já concorreu à Palma de Ouro no Festival de Cannes com o filme "Linha de Passe"

3. CONCURSO CURTA ECOFALANTE (24)

"Ângelo" (Brasil, 2020, 28 min) - Mariana Machado
A partir de um olhar íntimo e familiar constrói-se este retrato multifacetado de Ângelo Machado, avô, cientista, professor, dramaturgo, escritor, ambientalista e zoólogo, estudioso de libélulas e borboletas.
* inédito em festivais

"Beat é Protesto - O Funk pela Ótica Feminina" (Brasil, 2019, 23 min) - Mayara Efe
Onde estão e quem são as minas que compõem o movimento do funk? O funk sempre foi uma forma de protesto e ser mulher também é! O filme retrata a cena underground das mulheres no funk de protesto da última década de São Paulo. Os depoimentos vêm de mulheres transgênero e cisgênero que transitam em diferentes funções dentro desse universo como cantoras, DJs, beatmakers, produtoras, empresárias, MCs, dançarinas e também de drag queens. Com participação de Renata Prado, Juju ZL, Pabllo Vittar,  Linn da Quebrada, Amanda Coelho,  Kiara Felippe, Rubia Mara, MC Dezyrre, Meeduza, Urias, Badsista, Kaya Conky, Mc Keron,  Mc Fatinossa e Mafalda.
* exibido nos festivais MixBrasil, In-Edit Brasil e Curta Brasília

"Cancha - Domingo é Dia de Jogo" (Brasil, 2020, 17 min) - Welyton Crestani
Há 20 anos, a Vila Verde (periferia industrial de Curitiba), encontrou no futebol de várzea o caminho para a autonomia da comunidade. Através da paixão de Carlinhos, vemos a trajetória do Campeonato de Futebol da Vila Verde.
* inédito em festivais

"Cantos de Origem" (Brasil, 2019, 20 min) - Marcella Ferrari, Brenda Zacharias, Paulina Meza, Chico Sales e Gislene Nogueira
Qual é o lugar de fala das mulheres migrantes na antropofágica São Paulo? Quais os extremos desse território? Em Cantos de Origem, as vozes de três cantoras migrantes são entrelaçadas pela música e percorrem o coração econômico da América Latina resgatando suas suas origens enquanto projetam seu futuro sem fronteiras.
* exibido no Festival de Trancoso e no Filmworks Film Festival

"Cerrado de Volta: A Restauração na Chapada dos Veadeiros" (Brasil, 2019, 14 min) - Cleisyane Quintino
Na contramão do desmatamento, moradores da Chapada dos Veadeiros e pesquisadores se empenham na restauração de áreas degradadas por pastagens e incêndios. Todos os anos, eles se reúnem em Alto Paraíso para discutir pesquisas que ajudam a trazer o Cerrado de volta. Em 2019, acompanhamos o VII Encontro de Pesquisadores da Chapada dos Veadeiros realizado na cidade de Alto Paraíso (GO).
* inédito em festivais

"Cidade De Quem Corre" (Brasil, 2019, 11 min) - Fernando Martins
Documentário sobre o cotidiano de entregadores de aplicativos que percorrem a cidade de São Paulo em bicicletas.
* inédito em festivais

"Como Se Fossem Máquinas" (Brasil, 2018, 28 min) - João de Mari
Documentário que discute a escravidão contemporânea na construção civil - "Sabe-se que hoje não se encontra mais a figura do antigo escravo negro, acorrentado a uma bola de ferro. Porém, esse é o estereótipo que aparece no imaginário das pessoas" - e seu terrível impacto na vida dos trabalhadores.
* inédito em festivais

"Contratempos" (Brasil, 2019, 8 min) - Matheus Santos
Quando Isaac rasga a calça a caminho de um importante teste de violino que poderá mudar seu futuro, seu pai Kleber conta os minutos para o teste procurando uma costureira com o filho.
* inédito em festivais

"Cor de Pele" (Brasil, 2019, 4 min) - Larissa Barbosa
O filme e enuncia através de um poema, retratando questões que permeiam a vida de mulheres negras como o machismo e o racismo, mas também a ancestralidade e a força que essas mulheres encontram em sua união. Entendendo que essas narrativas apesar de distintas estão calcadas em uma mesma raiz.
* exibido no festival 3 Margens: Festival Latino-Americano de Cinema

"Correntes" (Brasil, 2020, 15 min) - Charles dos Santos
Mãe, esposa e filha falam sobre a realidade de se conviver com a ausência de um ente querido encarcerado.
* inédito em festivais

"De Canto Em Canto" (Brasil, 2019, 13 min) - Júlia Maria
Nascido no dia do músico, Francisco Alves é um reciclador que encanta as pessoas com sua linda voz enquanto busca o sustento da sua família através das coisas que encontra pelas ruas. Apesar da imensa dificuldade econômica, Francisco acredita que a música o ajuda a ser um homem melhor e mais feliz.
* exibido no Festival Internacional de Cinema Escolar de Alvorada/RS, Festival CineOrfão de Cinema Sem Pais e Festival de Cinema Filmaê

"Desculpe Interromper o Silêncio de Sua Viagem" (Brasil, 2018, 12 min) - Maiara Astarte
Documentário que retrata o dia a dia dos vendedores ambulantes do Rio de Janeiro, eles contam sobre seus sonhos, anseios e a dura realidade que enfrentam todos os dias nos ônibus da cidade.
* o filme teve pré-estreia na Cinemateca do MAM (RJ)

"Elemento Suspeito" (Brasil, 2019, 9 min) - Gustavo Paixão
Um retrato da relação de jovens negros da periferia com a atividade policial.
* exibido no Curta Taquary

"Entre Mães" (Brasil, 2019, 25 min) - Nicoly Cruvinel 
Através de entrevistas com 3 mães de origens e vivências diferentes, Entre Mães discute sobre os locais comuns presentes no universo da mulher e da mãe. Buscando questionar a existência de um amor materno incondicional, o documentário discursa acerca do papel da mulher na sociedade e cria um espaço de escuta e reflexão.
* exibido no festival Lift Off Global Network - First-Time Filmmaker Sessions

"Estado de Neblina" (Brasil, 2019, 19 min) - Bruno Ramos
Numa quebrada em ruínas, um grupo de adolescentes vive à deriva até que um deles adentra na floresta assombrada para saber o que há adiante.
* exibido na Mostra de Tiradentes no Curta Kinoforum

"Hoje Eu Não Fico no Vestiario" (Brasil, 2019, 12 min) - Nicole Lopes
Não é novidade que o esporte move paixões, especialmente quando se trata de futebol no Brasil. Mas, nem todas as formas de amor são permitidas dentro e fora de campo. Nesse cenário, o time poliesportivo curitibano, Capivara Esporte Clube, relata as suas experiências no combate a homofobia e na inclusão de homens e mulheres homossexuais no esporte tradicional.
* exibido no Curta Pinhais - FESTCINE

"Hoje Sou Felicidade" (Brasil, 2019, 20 min) - João Luís e Tiago Aguiar
Aldir Felicidade, negro, cadeirante, periférico e intérprete de samba 14 vezes campeão do carnaval de desfile das escolas de samba de Recife, conta: se faz samba não é apesar das dificuldades, mas para as enfrentar.
* exibido no Festival de Taguatinga, FestCine – Festival de Curtas de Pernambuco e F.EST.A – Festival Estudantil de Audiovisual

"Nem Puta Nem Santa" (Brasil, 2019, 7 min) - Alana Ferreira
A partir de seu lugar de fala, a diretora Alana Ferreira vive Bruna, uma travesti de 40 anos, do interior de Goiás. No dia de seu aniversário, percorremos com ela um caminho de desejo e coragem.
* exibido no Festival de Cinema Filmaê e 15º Festival Taguatinga de Cinema

"O Garoto do Fim do Mundo" (Brasil, 2019, 20 min) - Antônio Victor e Lailson Brito
Quando seu pai, um caminhoneiro, sofre um acidente doméstico que o impede de trabalhar por alguns meses, Gean tem seu futuro colocado em questão: seguir os planos do pai e trabalhar como motorista ou seguir seu sonho de se tornar uma Drag Queen?
* exibido no Panorama Coisa de Cinema

"O Verbo se Fez Carne" (Brasil, 2019, 6 min) - Ziel Karapotó
A invasão dos europeus em Abya Yala nos deixou cicatrizes. Ziel Karapotó utiliza seu corpo para denunciar cinco séculos de colonização e suas consequências aos povos originários.
* vencedor do prêmio de melhor filme pernambucano no RECIFEST – Festival de Cinema de Diversidade Sexual e de Gênero
* exibido na Mostra de Tiradentes, NOIA - Festival do Audiovisual Universitário, Curta Taquary e Festival Brasileiro de Cinema Universitário

"Perpétuo" (Brasil, 2018, 24 min) - Lorran Dias
Nova Iguaçu, Baixada Fluminense, Rio de Janeiro: Silvia e Alex voltam a morar juntos. As ruínas do passado se atualizam no presente. Vida em movimento.
* exibido nos festivais de Roterdã, Santa Maria da Feira, Mostra de Tiradentes e FESTCURTASBH – Festival de Curtas-Metragens de Belo Horizonte

"Território: Nosso Corpo, Nosso Espírito" (Brasil, 2019, 27 min) - Clea Torres e João Paulo Fernandes
Atualmente, as mulheres indígenas estão mobilizadas e organizadas, assumindo a linha de frente nas reivindicações e demandas dos povos originários. Elas resistem em um cenário pessimista em relação às políticas para a garantia dos direitos e de permanência em seus territórios, buscando espaços, como o Acampamento Terra Livre (ATL), para denunciar as constantes violações. A fim de testemunhar essas posições políticas, o documentário evidencia diferentes mulheres indígenas, apresentando pautas que atravessam as diferenças dos grupos étnicos e conformam as singularidades das mulheres A'uwe Xavante. 
* inédito em festivais

"Vidas que Correm" (Brasil, 2019, 10 min) - Coletivo de Alunos
Documentário realizado por jovens estudantes do ensino médio de um colégio de Jundiaí (SP), o filme mostra que a degeneração do rio que corta a cidade tem um severo impacto na paisagem social e transtorna a vida dos moradores que habitam ao seu redor.
* inédito em festivais

"Vivi Lobo e o Quarto Mágico" (Brasil, 2019, 13 min) - Isabelle Santos e Edu MZ Camargo
"Muito prazer! Meu nome é Vivi Lobo. Essa história é sobre as portas que devemos abrir ao longo da vida, enquanto humanos, enquanto meninas."
* vencedor do prêmio de melhor trilha sonora no Cine PE - Festival do Audiovisual
* exibido na Mostra de Tiradentes

1.                 CLÁSSICOS E PREMIADOS 
"Brasil S/A" (Brasil, 2014, 72 min) - Marcelo Pedroso
No Brasil dos últimos 500 anos, Edilson esteve cortando cana-de-açúcar. Um dia, as máquinas chegaram e ele deixou o corte para se engajar em sua primeira missão espacial. Um pequeno passo para ele, um salto enorme para o Brasil.
* vencedor do prêmio de melhor longa-metragem da competição latino-americana da Mostra Ecofalante de Cinema e dos prêmios de melhor direção, melhor roteiro e melhor som no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro

"Corumbiara" (Brasil, 2009, 117 min) - Vincent Carelli
Em 1985, o indigenista Marcelo Santos denuncia um massacre de índios na Gleba Corumbiara (RO) e Vincent Carelli filma o que resta das evidências. Bárbaro demais, o caso passa por fantasia e cai no esquecimento. Marcelo e sua equipe levam anos para encontrar os sobreviventes. Duas décadas depois, "Corumbiara" revela essa busca e a versão dos índios.
* vencedor dos prêmios de melhor filme brasileiro, melhor direção, melhor montagem e prêmio do público no Festival de Gramado, melhor documentário no Festival Présence Autochtone - Muestra de Cine y Video Indígena de Montréal, Prêmio APCA de melhor documentário, prêmio do público no Festival Latino-Americano de São Paulo, Grande Prêmio Cora Coralina no FICA - Festival de Cinema e Vídeo Ambiental de Goiás e menção honrosa de filme brasileiro no festival É Tudo Verdade

"Era Uma Vez Iracema" (Brasil, 2005, 45 min) - Jorge Bodanzky
Documentário feito para integrar o DVD do filme 'Iracema – Uma Transa Amazônica', de Jorge Bodanzky e Orlando Senna, um clássico do cinema brasileiro. O documentário discute a linguagem do filme 'Iracema' 30 anos depois de sua realização, reunindo entrevistas com os autores, atores, críticos e com os próprios cineastas.

"Dedo na Ferida" (Brasil, 2017, 90' min) - Silvio Tendler
O filme trata do fim do estado de bem-estar social e da interrupção dos sonhos de uma vida melhor para todos em um cenário onde a lógica homicida do capital financeiro inviabiliza qualquer alternativa de justiça social. Milhões de pessoas peregrinam em busca de melhores condições de vida enquanto a perversão do capital só aspira à concentração da riqueza em poucas mãos. Neste cenário de tensões sociais, artistas e intelectuais lutam para transformar o mundo, levantando temas como os fins dos direitos sociais, o desemprego, o mercado e o consumo. A arte se converte em ferramenta de mudança social provocando discussões que não interessam ao 1% mais rico.
* vencedor do prêmio de melhor longa-metragem da competição latino-americana da Mostra Ecofalante de Cinema e do prêmio do júri popular para documentário no Festival do Rio
trailer: https://www.youtube.com/watch?v=ri4kkw69Gk4

"Fronteira das Almas" (Brasil, 1988, 90 min) - Hermano Penna
Cassiano recebe um pedaço de floresta virgem num projeto de colonização oficial em Rondônia, mas não tem dinheiro para cultivá-lo. Juntamente com outras pessoas, resolve tomar conta do que lhe foi dado, mas enfrenta todos os tipos de problemas, como a malária e a densa mata virgem, quase impenetrável. Seu irmão Tião vive em uma comunidade de posseiros que ocupam terras devolutas no sul do Pará, enfrentando constantes ataques armados de um grileiro sanguinário. Num crescendo de tensão, as condições de sobrevivência se deterioram, imperando a seca e a miséria.
* no elenco do filme estão Antônio Leite, Suzana Gonçalves, Fernando Bezerra, Marcélia Cartaxo, Orlando Vieira e Joel Barcelos
* vencedor dos prêmios de melhor filme, direção, roteiro, montagem e dom no Rio Cine Festival, e de melhor atriz coadjuvante e prêmio especial do júri no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro,

"Iracema - Uma Transa Amazônica" (Brasil, 1974, 90 min) - Jorge Bodanzky e Orlando Senna
Em 1970, um motorista de caminhão, sulista, em Belém do Pará, durante as festas do Círio de Nazaré, conhece Iracema, uma jovem índia prostituída. Dá-lhe uma carona, deixando-a num lugarejo no meio da estrada. A viagem, como todo o filme, serve como pretexto para que sejam mostrados problemas da região - desmatamento, más condições de trabalho e saúde, venda de camponeses em confronto com a fantasiosa propaganda institucional.
* no elenco do filme estão Edna de Cássia, Paulo César Pereio e Conceição Senna
* vencedor dos prêmios de melhor filme, atriz, atriz coadjuvante e montagem no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, Prix George Sadoul (França) e Adolf Grimme Preis (Alemanha)

"Jari" (Brasil, 1979, 60 min) - Jorge Bodanzky e Wolf Gauer
Documentário filmado na própria área do Projeto Jari – enclave multinacional, localizado entre o Pará e o então Território Federal do Amapá, por ocasião da visita feita ao projeto pela Comissão Parlamentar de Inquérito sobre a devastação da Amazônia. Jari é a maior ocupação de terras da Amazônia de que se tem notícia, e provavelmente do mundo, pertencente a um único proprietário, o milionário norte-americano Daniel Keith Ludwig.
* vencedor do prêmio especial do júri no Festival do Filme de TV de Curitiba

"Mário" (Brasil, 1999, 86 min) - Hermano Penna
Mário, um jovem e bem-sucedido médico paulista, vive em São Paulo uma vida um tanta artificial com a ambiciosa Lúcia. Desiludido com os rumos mercantilistas da profissão, o sufocamento da vida urbana e desencantado com o casamento, Mário se impõe uma encruzilhada. Olha em um mapa uma localidade perdida na fronteira do Mato Grosso com o Pará, e decide largar tudo e colocar literalmente o pé na estrada, até chegar a uma Amazônia cheia de conflitos.
* no elenco do filme estão Jairo Matos, Vera Zimmermann, Anselmo Moreno, Manfredo Bahia, Antônio Leite e Henrique Lisboa

"Martírio" (Brasil, 2016, 162 min) - Vincent Carelli, Ernesto de Carvalho e Tatiana "Tita" Almeida
O retorno ao princípio da grande marcha de retomada dos territórios sagrados Guarani Kaiowá por meio das filmagens de Vincent Carelli, que registrou o nascedouro do movimento na década de 1980. Vinte anos mais tarde, tomado pelos relatos de sucessivos massacres, Carelli busca as origens deste genocídio, um conflito de forças desproporcionais: a insurgência pacífica e obstinada dos despossuídos Guarani Kaiowá frente ao poderoso aparato do agronegócio.
* vencedor do prêmio do júri popular e do prêmio especial do júri no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, prêmio do público para documentário brasileiro e prêmio Spcine de melhor documentário na Mostra Internacional de Cinema São Paulo, melhor filme no festival Janela Internacional de Cinema do Recife, melhor longa-metragem latino-americano no Festival de Mar Del Plata, melhor filme e Prêmio Universidade Federal do Acre no Festival Pachamama – Cinema de Fronteira, melhor longa-metragem no FestCine Amazônia e prêmio especial do júri no Festival do Vale do Ivinhema (Mato Grosso do Sul)

"Não Respire - Contém Amianto" (Brasil, 2017, 70 min) - André Campos, Carlos Juliano Barros e Caue Angeli
Banido em quase 70 países por seu devastador poder cancerígeno, o amianto ainda não foi proibido no Brasil. O filme investiga como a indústria do amianto tenta vender a imagem do minério como algo "não tão ruim".
* vencedor do prêmio do público de melhor longa-metragem da competição latino-americana da Mostra Ecofalante de Cinema

"Navegaramazônia – Uma Viagem com Jorge Mautner" (Brasil, 2006, 50 min) - Jorge Bodanzky e Evaldo Mocarzel
Em março de 2006, a equipe do projeto Navegar Amazônia saiu do Canal de Jandiá, em Macapá, rumo a Belém. A bordo de um barco regional, adaptado com um moderno laboratório multimídia, estavam a equipe do projeto e trinta pessoas. Entre os convidados, os músicos Jorge Mautner, Nelson Jacobina e Zé Miguel (de Macapá) e os cineastas Evaldo Mocarzel e Jorge Bodanzky. O objetivo era oferecer, ao longo de todo o percurso, que envolveu as cidades de Belém, Abaetetuba e Tauerá-açu, oficinas de música, cinema, fotografia, vídeo e arte às populações ribeirinhas visitadas. Em Belém, as atividades iniciaram-se com rituais indígenas de pajelança com Mestre Verequete, o rei do carimbó, além dos três músicos a bordo. O documentário registra a interação entre os convidados e as populações locais.
* vencedor do prêmio do público de melhor documentário no Amazonas Film Festival

"No Meio do Rio, Entre as Árvores" (Brasil, 2009, 73 min) - Jorge Bodanzky 
No meio do rio, entre as árvores é o resultado de uma expedição ao Alto Solimões, onde foram ministradas oficinas de vídeo, circo e fotografia às comunidades ribeirinhas, dentro de reservas ambientais. O filme é feito por eles, a partir da tecnologia recém aprendida e com a visão "de dentro para fora", sem intérpretes. Do coração da Amazônia para o mundo, ficamos sabendo como é o cotidiano dessas pessoas que habitam rincões remotos do Brasil. Ficamos sabendo o que pensam, quais os seus sonhos e como resolvem os problemas que enfrentam por viverem no meio do rio, entre as árvores.
* exibido no festival É Tudo Verdade e em eventos nos Estados Unidos, Alemanha, Inglaterra, Argentina e França 

"No Rio das Amazonas" (Brasil, 1995, 76 min) - Ricardo Dias
Uma viagem na Amazônia, de Belém a Manaus. O filme tem a participação do naturalista Paulo Vanzolini e trata particularmente da ecologia da região, com ênfase no modo de vida das populações ribeirinhas do baixo Amazonas.
* vencedor dos prêmios de melhor direção de documentário e melhor som no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, melhor filme e melhor música no Festival de Cuiabá, melhor música no Festival de Gramado e Prêmio APCA de melhor filme e de melhor fotografia

"O Cineasta da Selva" (Brasil, 1997, 87 min) - Aurélio Michiles
A vida de Silvino Santos (1886-1970), português que se apaixonou pelo Rio Amazonas. Aos treze anos, Silvino cruza o Atlântico na passagem do século em busca daquela Amazônia fantástica imaginada pelos europeus. Em 1913, realiza seu primeiro documentário de longa-metragem. Ele viveria sua aventura contracenando com grandes personalidades, testemunhando acontecimentos marcantes, do fausto à queda do monopólio da borracha. Filmando essa Amazônia do início do século, ele se torna um mito da selva e um dos pioneiros do cinema no Brasil.
* no elenco do filme estão José de Abreu e Denise Fraga
* vencedor dos prêmios de melhor diretor estreante, Prêmio da Unesco e Prêmio Marcos Antônio Guimarães do Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, melhor documentário no Festival Viana de Castela e no CineEco – Festival de Cinema Ambiental da Serra da Estrela (ambos em Portugal)

"O Terceiro Milênio" (Brasil, 1981, 95 min) - Jorge Bodanzky e Wolf Gauer
Agosto de 1980. Evandro Carreira, senador, sai de seu diretório em Manaus para percorrer suas bases eleitorais pelo Estado do Amazonas. Depoimentos de caboclos, de madeireiros, do sertanista Paulo Lucena, de índios brasileiros e peruanos, de um representante da Funai são colhidos desde a cidade de Benjamin Constant até o vilarejo de Cavalo Cocho. Uma visita à aldeia indígena dos Ticunas e às terras do povo Maiuruna culmina com o depoimento e a ação de José Francisco da Cruz, representante da cruz da Santa Ordem Cruzada Apostólica Evangélica. No trajeto, revela-se a potencialidade econômica do Amazonas e seus desvios: a corrupção na política indigenista e a presença de fábricas poluidoras. 
* vencedor do Grand Prix no festival Visions du Réel

"Os Mucker" (Brasil, 1978, 105 min) - Jorge Bodanzky e Wolf Gauer
Na década de 1870, a região de Sapiranga no Rio Grande do Sul testemunha a chegada de um novo conceito de formação de comunidades: os Mucker, imigrantes germânicos instalados na região decidem criar uma sociedade própria, inspirada em conceitos bíblicos, auto-suficiente e isolada do resto da sociedade brasileira, em geral. Comandada por Jacobina Mentz, uma beata, esse novo agrupamento, no entanto, encontrará resistência por parte de seus vizinhos e das forças militares brasileiras.
* no elenco do filme estão Marlise Saueressig, Paulo César Pereio e José Lewgoy
* vencedor dos prêmios de melhor direção, atriz e cenografia no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e do Prêmio Air France de melhor filme e melhor direção

"Pandemonium" (Brasil, 2010, 52 min) - Jorge Bodanzky
Neste ensaio fílmico de média-metragem, Jorge Bodanzky investiga o impacto das mudanças climáticas e os novos desafios na área energética. Dois dos maiores especialistas brasileiros, o físico Rogério Cézar de Cerqueira Leite e o meteorologista Carlos Nobre, apresentam três diagnósticos e propostas que lançam luzes sobre questões cruciais para o desenvolvimento humano no século 21.

"Sob a Pata do Boi" (Brasil, 2018, 49 min) - Márcio Isensee e Sá
A Amazônia tem hoje 85 milhões de cabeças de gado, três para cada habitante da região. Na década de 1970, quase não havia bois e a floresta estava intacta. Desde então, uma porção equivalente ao tamanho da França desapareceu, da qual 66% virou pastagem. A mudança foi incentivada pelo governo, que motivou a chegada de milhares de fazendeiros de outras partes do país. A pecuária tornou-se bandeira econômica e cultural da Amazônia, forjando poderosos políticos a defendê-la. Em 2009, o jogo começou a virar quando o Ministério Público obrigou os grandes frigoríficos a monitorarem o desmatamento nas fazendas de onde compram gado.
* vencedor de menção honrosa para curta e média-metragem da competição latino-americana da Mostra Ecofalante de Cinema

Mostra Ecofalante de Cinema pode ser acessada através dos seguintes links:


Fonte: Assessoria de Imprensa

Nenhum comentário:

Postar um comentário